Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Maio: Associação Pró-Morro estreia terça-feira “A morte lenta” no festival de teatro Mindelact

Porto Inglês, 11 Nov (Inforpress) – A Associação Pró-Morro, na ilha do Maio, vai estrear, nesta terça-feira, a peça “A morte lenta”, no festival de teatro no Mindelact, a decorrer no Mindelo, ilha de São Vicente, informou hoje o presidente da agremiação Agostinho Silva.

À Inforpress, Agostinho Silva explicou que a peça retrata a problemática do alcoolismo, que na sua opinião é um dos “grandes” males sociais que afecta a sociedade cabo-verdiana e que merece um esforço de todos, com vista a conseguir diminuir o seu consumo e os impactos sociais advenientes.

Segundo informou, este ano o Mindelact associou-se a campanha “menos álcool mais vida”, pelo que solicitaram aos grupos se pudessem retratar este tema, razão pela qual o Pró-Morro decidiu levar aquela peça para aquele que é considerado um dos maiores festivais da África Ocidental.

“Esta peça fala do alcoolismo e das consequências negativas e quase nenhuma parte positiva, pelo que entendemos ser uma sensibilização para esclarecer o que passa na nossa sociedade e que é preciso esforço de todos para que possamos acautelar e viver mais vida”, salientou.

A peça vai ser apresentada por três actores do grupo e Agostinho Silva promete um momento de reflexão e de muita diversão.

O presidente da Associação Pró-Morro lamenta a falta de apoio, sobretudo, da câmara, a quem acusa de não ter cedido ao grupo, desde 2016, “sequer um bilhete de passagem” para se deslocar à São Vicente.

“Como gostamos do teatro vamos estar presentes mais uma vez no palco do Mindelact, mas lamento e muito o facto de a nossa edilidade não ter a sensibilidade para com a cultura, principalmente o teatro’’, afirmou.

A Associação Pró-Morro participou pela primeira vez no festival Mindelact em 2016 com a peca “Nos riqueza” e, posteriormente em 2017 “diferente sim, mas iguais”.

WN/CP

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos