Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Maio: Armindo Tavares Frederico “Dau” diz-se honrado por emprestar seu nome ao estádio municipal

Porto Inglês, 03 Fev (Inforpress) – O futebolista Armindo Tavares Frederico “Dau” diz-se sentir honrado, pelo facto da autarquia maiense escolher o seu nome para atribuir ao estádio municipal e considera “normal” a existência de vozes discordantes.

O futebolista Armindo Tavares Frederico, mais conhecido no seio da comunidade desportiva maiense e a nível nacional por ‘Dau’, assegurou à Inforpress que quando foi chamado para ser perguntado se aceitava que o estádio municipal passasse a ostentar o seu nome, ficou “sem palavras”.

“O presidente da câmara mandou chamar-me no seu gabinete e quando cheguei ele me perguntou se aceitava que o estádio municipal passasse a chamar meu nome fiquei sem palavras de tanta alegria, depois respondi que sim, e que se calhar ninguém declinaria esta proposta”, salientou.

Dau contou, por outro lado, que iniciou bem cedo no futebol, e que na altura as pessoas viviam intensamente a modalidade, lembrando que quando iniciou já havia grandes jogadores na ilha, nomeadamente “Pexe” e outros, com quem teve oportunidade de jogar.

Devido a sua habilidade, começou a representar a selecção local de futebol com os seus 17 anos. De seguida foi prestar o serviço militar na ilha do Sal, onde também continuou a jogar e teve a oportunidade de praticar futebol de salão, modalidade que o ajudou a melhorar ainda mais a sua técnica.

Depois do seu regresso, Dau teve a oportunidade de jogar na sua “equipa de coração”, o 11 Unidos, onde ganhou “quase tudo”, faltando apenas ganhar campeão de Cabo Verde como jogador, algo que só veio a conseguir como um dos dirigentes da equipa na época 2000/21.

De entre os vários momentos de glória no futebol, Dau fez referência à participação da ilha do Maio no torneio inter-ilhas em São Vicente, na década de 80, altura em que a ilha conseguiu um modesto terceiro lugar na prova. Para além disso, contou que o seu melhor golo foi “nos encontros dos Azuis realizado na ilha do Sal”.

Por causa da sua técnica e amor ao futebol, Dau disse que recebeu propostas de equipas de várias ilhas, mas nunca deixou a sua terra natal, aliás, frisou que quando ainda estava muito jovem, o seu irmão fez de tudo para levá-lo para jogar na Europa, mas no momento decisivo declinou o convicto, porque não era a sua vontade emigrar.

Por ser um dos melhores jogadores da ilha durante o momento em que praticava futebol de 11, Dau foi convocado duas vezes para fazer parte da selecção de Cabo Verde, mas, “infelizmente”, nunca conseguiu jogar.

Nas vésperas de completar os 60 anos, Dau ainda continua a praticar futebol de salão quase todos os dias juntamente com os jovens da ilha. No ano passado foi homenageado nesta modalidade pelos colegas.

Questionado sobre os requisitos para ser um bom jogador, Dau respondeu que qualquer atleta que queira conseguir algo deve pautar-se pelo respeito, amor e dedicação.

WN/CP

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos