Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Maio: Agricultores dizem que gafanhotos estão a dizimar plantações perante inércia da Delegação do MAA

Porto Inglês, 08 Dez (Inforpress) – Os agricultores do Maio dizem-se “afrontados” com “ataque contínuo” dos gafanhotos nas suas propriedades, situação que afirmam ser do conhecimento da Delegação do Ministério da Agricultura e Ambiente na ilha, mas que nada tem feito para os ajudar.

Este desabafo foi feito à reportagem da Inforpress, pelo porta-voz dos agricultores do perímetro agrícola de Tambarina, Ineuse Ribeiro, para quem o sector agrícola na ilha do Maio não tem sido dado a atenção que realmente merece.

Segundo este representante, neste momento, deveriam estar a fazer alguma colheita, mas nem sequer conseguiram fazer a plantação, porque os gafanhotos estão a devorar tudo.

Conforme adiantou, apesar de inicialmente apostarem na plantação de batata doce e de alguma mandioca, os agricultores estão a ver os seus esforços a serem “reduzidos a pó”.

“Depois de muito tempo à espera para termos alguma quantidade de água nos poços para produzirmos, e agora que estamos com uma quantidade razoável, não estamos a poder fazer a plantação de produtos que são apropriados por esta altura, porque estamos a sofrer ataques contínuos dos gafanhotos”, salientou.

Na opinião do entrevistado da Inforpress, a Delegação do MAA “nada tem feito” para combater esta praga, alegando que a representação do ministério da agricultura na ilha actua somente em período de chuvas para evitar a propagação.

Aliás, frisou que foram informados que nesta altura não é aconselhável a utilização de agrotóxicos que causam efeitos no ambiente, por isso foi-lhes recomendado a adquirirem um tipo de inseticida biológico.

Mas, na opinião daquele agricultor, este tipo de inseticida não produz efeito perante os gafanhotos, porque já fizeram esta aplicação e não viram qualquer resultado, e, enquanto isso, estão a acumular avultados prejuízos sem que ninguém os ajude a suportar estas perdas.

Ineuse Ribeiro defendeu ainda ser “necessário e urgente”, o desassoreamento dos diques no perímetro agrícola de Tambarina, tendo em conta que aquelas estruturas já não conseguem reter água. Neste sentido, apontou ainda como solução a perfuração de um furo para garantir que agricultores possam exercer as suas actividades.

A este propósito, lembrou que muitos colegas já deixaram a profissão, por causa da falta de água e estão obrigados a procurar outra forma de conseguirem algum rendimento para sustentar a família.

Situação semelhante está a ser vivida no perímetro agrícola de Monte Vermelho, onde, de acordo com o agricultor Justino Monteiro, nem os viveiros estão a ser poupados pelos gafanhotos.

Por isso, os camponeses estão condicionados a realizar a plantação, embora admita que estão a deparar com pouca quantidade de água que vem sendo fornecida pelo furo local, mas, mesmo assim, poderiam estar a fazer alguma colheita por esta altura.

Sem alternativa, Justino Moreira defende que a única opção é esperar até que os gafanhotos completem o seu ciclo de vida para iniciarem os trabalhos da plantação.

Contactada pela Inforpress, a delegada do MAA disse que depois de ser informada da situação pelos agricultores enviou os técnicos ao terreno para lhes facultarem as orientações técnicas e o tipo de inseticida que deveriam utilizar, assim como colocar à sua disposição os materiais que necessitavam para darem o combate.

Teresa Tavares enfatizou ainda que todo este procedimento respeita as normas que são emanadas pelo MAA, por isso, garantiu que fez tudo o que estava à sua disposição e que considera não existir razão para estas acusações.

WN/CP

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos