Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Magdalena Andersson nomeada primeira-ministra pelo Parlamento da Suécia

Estocolmo, 24 Nov (Inforpress) – A líder dos social-democratas suecos, Magdalena Andersson, foi eleita hoje primeira-ministra pelo parlamento de Estocolmo, tornando-se na primeira mulher a governar a Suécia, após difíceis negociações políticas.

Até ao momento, Andersson ocupava o cargo de ministra das Finanças do governo dirigido pelo demissionário Stefan Lofven, tendo sido eleita pelos votos a favor de 117 deputados, com 57 abstenções.

No parlamento de 349 lugares, apesar de 174 deputados terem votado contra, o número de abstenções permitiu a escolha de Magdalena Andersson.

De acordo com a Constituição sueca, os chefes de governo podem ser nomeados para governar pelo parlamento se 175 deputados não votarem contra.

Magdalena Andersson é a primeira mulher a ocupar o posto de primeiro-ministro. Embora a Suécia seja um dos países apontados como dos mais avançados da Europa em questões relacionadas com igualdade de género, mas o cargo de líder do Executivo nunca tinha sido desempenhado por uma mulher.

O Executivo de Lofven era considerado um “governo feminista” por ter promovido as questões sobre a igualdade entre homens e mulheres.​​​

Hoje, no Parlamento, Amineh Kababaveh, deputada independente que apoiou Andersson, referiu que a Suécia assinala actualmente os 100 anos das primeiras decisões políticas sobre direitos universais e o voto das mulheres.

“Se as mulheres podem votar, mas nunca conseguem ser eleitas para os mais altos cargos, então a democracia não está completa”, disse Kakabaveh.

“Esta decisão foi simbólica”, acrescentou a deputada independente.

Lofven vai manter-se formalmente em funções até que seja anunciada a formação do novo Governo na próxima sexta-feira.

Andersson, 54 anos, vai liderar um Executivo de coligação minoritário formado pelos social-democratas e pelos Verdes. 

Nos últimos dias, Andersson tentou garantir o apoio dos dois partidos minoritários que apoiaram o anterior governo de centro-esquerda liderado por Lofven: o Partido de Esquerda e o Partido de Centro.

Os deputados das duas formações partidárias abstiveram-se, não votando contra Andersson.

Durante as negociações, Andersson e o Partido de Esquerda chegaram a acordo sobre o aumento das pensões de reforma que abrange uma população de 700 mil pensionistas suecos com baixos rendimentos.

As próximas eleições gerais na Suécia vão realizar-se no dia 11 de Setembro do próximo ano.

Inforpress/Lusa

Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos