Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Madrid diz que tratamento a líder da Polisário não “perturba” relações com Rabat

Madrid, 23 Abr (Inforpress) – A chefe da diplomacia espanhola disse hoje que as relações com Marrocos não seriam afectadas pelo acolhimento em Espanha do líder da Frente Polisário para tratamento.

“Isso não impede ou perturba as excelentes relações que Espanha tem com Marrocos”, afirmou Arancha González Laya, em conferência de imprensa.

Marrocos é um “parceiro privilegiado” de Espanha “a nível económico, político, migratório e empresarial, na luta contras alterações climáticas e isso não vai mudar”.

Rabat é um aliado fundamental de Madrid, sobretudo na luta contra a migração ilegal. Uma cimeira entre os dois países está planeada há meses, mas foi adiada, oficialmente devido à pandemia.

Os independentistas saarauís da Frente Polisário indicaram na quinta-feira à noite que o seu líder e Presidente da República Árabe Saarauí Democrática (RASD), Brahim Ghali, estava a ser tratado e a recuperar depois de contrair covid-19, mas sem apontar onde foi atendido.

Em nota, a Presidência da RASD garantiu que o seu estado “não era preocupante”.

Este comunicado de imprensa foi publicado em resposta a um artigo no semanário francês Jeune Afrique, segundo o qual o Presidente da RASD, de 73 anos, e que se diz sofrer de um cancro, foi hospitalizado de emergência em 21 de Abril em Espanha, sob um nome falso argelino.

O Ministério dos Negócios Estrangeiros espanhol anunciou então que o dirigente da Frente Polisário tinha sido “transferido para Espanha por motivos estritamente humanitários para receber tratamento médico”, sem outros esclarecimentos.

González Laya, questionada hoje, recusou-se a indicar onde Brahim Ghali estava hospitalizado e a dar detalhes da sua transferência para Espanha.

“A presença de Ghali em Espanha é por razões estritamente humanitárias, para receber tratamento médico. Vou manter a maior discrição quanto aos detalhes”, referiu.

A questão do estatuto do Saara Ocidental, considerado “território não autónomo” pelas Nações Unidas na ausência de um acordo definitivo, opõe há décadas Marrocos e a Frente Polisário.

Esta última pede um referendo de autodeterminação previsto pela ONU, enquanto Marrocos, que controlo mais de dois terços do território, propõe um plano de autonomia sob a sua soberania.

Os independentistas saarauís voltaram a pegar nas armas em Novembro passado, em resposta a uma operação militar marroquina numa zona tampão no extremo sul do vasto território do deserto.

Um líder militar da Frente Polisário, Addah Al-Bendir, foi morto no início deste mês por um ataque de ‘drone’ [aparelho aéreo não tripulado] numa área saarauí no norte do território, de acordo com o movimento independentista.

De acordo com o Far-Maroc Forum, página não oficial das forças armadas marroquinas no Facebook, Brahim Ghali estava ao seu lado e “sobreviveu” à operação marroquina.

Inforpress/Lusa/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos