Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

MAA perspectiva atingir “velocidade cruzeiro” na execução do Programa do Governo em 2018

Cidade da Praia, 11 Jan (Inforpress) – A perspectiva do ministro da Agricultura e Ambiente para 2018 é atingir a “velocidade cruzeiro” na execução do Programa do Governo nos sectores como a água, agricultura, segurança alimentar, saneamento e ambiente.

Segundo Gilberto Silva, em declarações à Inforpress, durante o ano de 2018 o seu ministério vai dar continuidade à implementação do plano de emergência para a mitigação da seca e do mau ano agrícola, mas que tal “não constitui um único problema”, visto que existem 63 projectos e programas de investimentos para implementar.

Conforme o ministro, o foco vai ter que ser colocado, também, nesses programas que estão muito relacionados com o Plano Estratégico de Desenvolvimento Sustentável, com o Programa do Governo e com o desenvolvimento de Cabo Verde, a prazo, nos sectores da água, da agricultura, da segurança alimentar, do saneamento e do ambiente.

“São recursos importantes que estão sendo colocados no quadro do Orçamento de Estado e que têm que ser bem implementados. A perspectiva é que vamos atingir a velocidade cruzeiro naquilo que constitui a execução do Programa do Governo e vamos ter que pôr o foco, de facto, no programa”, frisou.

No Orçamento do Estado para 2018, o montante global das despesas do sector agrícola e do Ambiente, disponibilizado pelo Governo, está fixado em 3.743 milhões de escudos, sendo que a nível do orçamento de funcionamento, é disponibilizado 653 milhões de escudos.

A nível do investimento, serão utilizados 3.090 milhões de escudos e em dois níveis, ou seja, garantir a manutenção das infra-estruturas, assim como consolidar a rentabilização das mesmas, e empoderar as delegações para uma maior proximidade e apoio aos agricultores, visando potencializar rendimentos justo aos agricultores.

O Executivo justificou que, ao invés da execução directa no Orçamento do Estado de projectos e investimentos no âmbito, relativos à água e à sua mobilização, será implementado o Fundo de Água e Saneamento (FASA), como entidade autónoma que assumirá e congregará todos os investimentos neste domínio.

O Governo frisou que na agricultura, as opções estratégicas preconizadas para o sector pretendem que a mesma seja uma agricultura que passa da óptica da subsistência para a empresarialização, isto é, “uma agricultura e agro-indústria competitiva” no mercado local e em nichos de mercados internacionais que garantam, ao mesmo tempo, a segurança alimentar e nutricional da população e uma capacidade exportadora do país.

Neste sentido, admitiu que os desafios do sector e do país são diversos e, para mitigá-los, o sector privilegia o desenvolvimento de sistemas produtivos, tais como unidades familiares, cooperativas de produção ou empresas, tecnologicamente modernas, rentáveis e ambientalmente sustentáveis.

Para alcançar esse desidrato, explicou o governante, será necessário apostar na investigação, na extensão rural, no ordenamento agrícola, no crédito agrícola, incentivos e parcerias, no equacionamento das questões fundiárias, na logística agrícola e assistência à comercialização, na assistência à organização da classe produtiva, na promoção de actividades de rendimento e na descentralização gradual de competências para os municípios.

No concernente ao sector do ambiente, incluindo o saneamento, o Governo está ciente de que a estratégia é de garantir a sustentabilidade e qualidade ambiental, promovendo a cidadania ecológica e o reforço dos sistemas de licenciamento e auditorias ambientais e criando as condições para a responsabilidade partilhada na governação ambiental.

O objectivo é, também, preservar e valorizar a biodiversidade marinha e terrestres, com base nos serviços dos ecossistemas, para a promoção de sectores de actividade económica, designadamente o turismo, a agricultura, a silvicultura e a pecuária e implementar os planos de gestão e conservação das áreas protegidas e das espécies.

O OE para 2018 vai ser de 57 milhões de contos, visando, conforme o Governo, fazer com que Cabo Verde tenha um “crescimento económico mais acelerado, mais robusto, inclusivo” e atingindo as diversas ilhas e “criando perspectiva de emprego”, sendo que para tal a aposta vai ser em garantir a inserção da economia nacional na economia mundial e valorizar elementos de confiança, estabilidade económica, estabilidade social e localização geoestratégica.

DR/JMV

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos