Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Lula da Silva reafirma candidatura presidencial e diz que querem tirá-lo do jogo político

 

São Paulo, Brasil, 13 Jul (Inforpress) – O ex-Presidente brasileiro Lula da Silva reafirmou hoje em São Paulo a sua candidatura presidencial e disse que a sua condenação a nove anos e meio de e prisão visa tirá-lo do jogo político.

“Se alguém pensa que com esta sentença me tirará do jogo [político] podem saber que eu estou no jogo. E agora quero dizer ao meu partido a quem até agora não tinha reivindicado, mas vou reivindicar, o direito de me colocar como postulante à Presidência da República em 2018”, declarou Lula da Silva durante uma conferência de imprensa.

“Quem tem o direito de decretar o meu fim [político] é o povo brasileiro”, completou Lula da Silva.

Na sua intervenção de cerca de meia hora, o ex-Presidente, que foi condenado quarta-feira num processo da Operação Lava Jato, voltou a dizer que acredita na Justiça do Brasil e que é inocente.

“Eu acredito na democracia e no Estado de direito. Por esta crença que eu tenho no Estado de direito sei que a Justiça não pode mentir, ela não tem que tomar decisões políticas, ela tem que se tomar uma decisão baleada nos autos. A única prova que existe [nos autos] deste processo é a prova da minha inocência”, garantiu.

Sobre o juiz Sérgio Moro, responsável pela sentença que o condenou, o antigo chefe de Estado disse que já esperava a decisão, já que o magistrado teria que prestar contas à imprensa que o havia condenado por antecipação.

“Obviamente que o [Sérgio] Moro não tem que prestar contas para mim. Eu acho que o Moro deve prestar conta para a história, assim como eu devo prestar conta para a história. A história na verdade é que vai dizer quem está certo quem está errado”, acrescentou.

Na quarta-feira, Lula da Silva foi considerado culpado de ter recebido vantagens ilícitas da construtora OAS num processo que investiga a propriedade de um apartamento de luxo no Guarujá, cidade do litoral de São Paulo.

O juiz Sérgio Moro considerou que Lula da Silva recebeu o apartamento como vantagem indevida para favorecer os interesses da OAS junto do Governo brasileiro, e condenou o político a nove anos e seis meses de prisão.

Apesar da sentença, o magistrado não pediu a prisão do ex-presidente, que vai recorrer da condenação em liberdade.

A sentença complica as intenções de Lula da Silva de concorrer às presidenciais de 2018, mas até ser julgado em segunda instância o político, que lidera as intenções de votos em diversas sondagens divulgadas no Brasil, ainda está apto a se candidatar já que a lei brasileira só proíbe candidaturas de políticos condenados em segunda instância.

Inforpress/Lusa

Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos