Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Literatura: Projecto “Bebi na fonti” de Adriano Reis vai ser preservado em livro

Cidade da Praia, 01 Abr (Inforpress)- O contador de estórias e activista cultural Adriano Reis dá a estampa, ainda este ano, o livro “Jornada de um sampadjudo na ilha de Santiago”, fruto do projecto “Bebi na fonti” (Beber na Fonte) levado a cabo desde 2018.

A informação foi avançada hoje à Inforpress pelo contador de estórias, residente em Portugal, e que se encontra em Cabo Verde para a materialização da terceira fase deste projecto que tem a coordenação técnica de Gil Cabral Moreira, investigador etno-cultural e contador de histórias, e do Grupo Tradison N’ Alma.

O projecto, iniciado em 2018, tem como objectivo principal, segundo a mesma fonte, “ir viver e conviver” com as “bibliotecas vivas” em Cabo Verde, fazer recolha dos costumes e tradições orais, contos tradicionais, intercâmbio cultural com investigadores cabo-verdianos, sessões de contos nas escolas e instituições sociais e culturais em Cabo Verde e nas comunidades cabo-verdianas na Europa e não só.

Á Inforpress informou que desde a primeira edição, este projecto vem lhe permitindo conhecer e viver obras de Anu Nobu, Ntoni Denti D´oro, Nhá Balila, Nhó Pascoal, Maria Bibinha Cabral, Sema Lopi, Nhu Armindo Preto e Nha Guida Mendes.

Nesta terceira edição, que decorreu entres os dias 20 e 29 , em parceria com a Câmara Municipal da Ribeira Grande de Santiago, o Centro Cultural de Cidade Velha e a Biblioteca Nacional, informou, foi possível desenvolver várias actividades de sessão de contos em escolas e jardins-infantis do concelho e no Centro Orlando Pantera, na Cidade da Praia.

Para além de contar estórias, Adriano Reis teve oportunidade de participar numa oficina sobre a importância de escrever com base no ALUPEC, com o investigador Tomé Varela. Essa troca de experiência, informou, vai lhe permitir ter contos mais unificados, tanto para o crioulo de sotavento, como o do barlavento.

Entretanto, adiantou, todos os anos de “beber na fonte” vão resultar num livro intitulado “Jornada de um sampadjudo na ilha de Santiago”, cujo prefácio será escrito por Gil Moreira e trará uma opinião do investigador Tomé Varela.

“Trata-se se uma crónica/estória escrita na primeira pessoa sobre a minha visão, um sampadjudo, perante uma cultura que é minha, mas que eu desconheço, ou seja, é o meu percurso nestes dois anos com este projecto na Ilha de Santiago, coordenado por Gil Moreira”, disse, sublinhado que esta sua memória será lançada em principio no mês de Dezembro para servir de “prenda de Natal.”

Mas para isso, informou, espera contar com a parceria de algumas instituições.

O contador de estórias, residente actualmente em Portugal, segue viagem hoje para São Vicente e seguidamente para Santo Antão, para a segunda fase desta edição, que contará com a parceria do actor Jorge Martins, do grupo Juventude em Marcha, e da Associação Matinho e Monte Joana.

Nesta ilha, estão previstas também sessões de contos, investigação, pesquisa e recolha, no sentido de reforçar o seu catálogo de factos e contos.

“Fico até o dia 07 de Maio. Vou vivenciar, vivendo no interior profundo como um deles, a ir buscar água e cozinhar na lenha”, frisou.

Para além do livro “Jornada de um sampadjudo na ilha de Santiago”, Adriano Reis prevê lançar em 2022 o livro “SINTANTON”, que aborda os costumes, tradições orais, factos, lendas, crenças e contos da ilha.

Adriano Reis, filho de pais cabo-verdianos, nasceu em Luanda (Angola) e com um ano de vida viajou para Cabo Verde, onde obteve a nacionalidade cabo-verdiana, mas actualmente vive em Lisboa (Portugal).

Com o projecto “Bebi na Fonti”, este contador de estória já levou o nome do seu país a 17 países da Europa, nomeadamente Portugal, Luxemburgo, Holanda, Croácia, Alemanha, França, Bélgica, entre outros, tendo actuado ainda em diversas ilhas de Cabo Verde.

O mesmo reconheceu que graças a este projecto está a conseguir “compreender melhor” a cultura, a identidade, os costumes e tradições e a alma dos santiaguenses, visto que viveu bastante tempo em Santo Antão.

AM/JMV
Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos