Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Liga Guineense dos Direitos Humanos denuncia irregularidades no processo eleitoral

Bissau, 25 Out (Inforpress) – A Liga Guineense dos Direitos Humanos denunciou hoje algumas irregularidades no processo de recenseamento e alertou para a necessidade de ser cumprida a lei.

“No dia 20 de Outubro, a organização presenciou um incidente no círculo eleitoral 29, em que os agentes recenseadores recusaram registar uma cidadã nacional pelo facto de o seu bilhete de identidade se encontrar caducado”, refere, em comunicado, aquela organização dos direitos humanos.

No comunicado, divulgado nas redes sociais, a Liga salienta que tem recebido “informações semelhantes deste tipo de incidentes noutras localidades do país”.

“Este comportamento ilegal dos agentes recenseadores colide com as disposições” legais, afirma a Liga, salientando que a lei do recenseamento eleitoral impõe o registo de todos os cidadãos eleitores, “mesmo que os documentos oficiais de identificação se encontrem caducados”.

A Liga Guineense dos Direitos Humanos sublinha ser “essencial que as autoridades da administração eleitoral investiguem com urgência estas e outras denúncias de irregularidades do registo eleitoral em curso”.

“É de interesse vital o Governo acabar com o clima de suspeição e de desconfianças que rodeiam o processo de recenseamento eleitoral, adoptando posturas de diálogo franco e construtivo com todos os partidos políticos e organizações da sociedade civil”, sublinhou.

A Liga Guineense adverte, também, que o “recenseamento eleitoral mal feito constitui um meio caminho andado para eleições não credíveis”.

O processo eleitoral em curso na Guiné-Bissau tem provocado fortes críticas dos partidos políticos sem assento parlamentar, do Partido de Renovação Social, segunda maior força partidária do país e que integra o actual Governo, e da sociedade civil.

Em causa está, essencialmente, o recenseamento eleitoral que não decorreu entre 23 de Agosto e 23 de Setembro, como previsto, devido a atrasos na chegada dos equipamentos para recenseamento biométrico.

A Nigéria é que teve de avançar com a doação de 350 ‘kits’ para recenseamento eleitoral, mas até hoje só tinham chegado ao país 150.

O recenseamento acabou por ter início em 20 de Setembro.

Na quarta-feira, a ministra da Administração Territorial, Ester Fernandes, disse que o recenseamento iria decorrer no prazo previsto por lei, que é de 60 dias, ou seja, deverá terminar em 20 de Novembro, dois dias depois da data prevista para as legislativas (18 de Novembro), que poderão ser adiadas.

Com a chegada hoje de mais 55 ‘kits’ da Nigéria, ficam a faltar mais 145, que vão chegar “brevemente”, de acordo com o Gabinete Técnico de Apoio ao Processo Eleitoral.

Segundo a Comissão Nacional de Eleições, já foram recenseadas 230 mil pessoas, aproximadamente 25% dos cerca de 900 mil eleitores estimados.

Lusa/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos