Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Líder da UCID diz que o primeiro-ministro “deve intervir” para se encontrar uma solução à greve dos policiais

 

Cidade da Praia, 27 Dez (Inforpress) – O líder da UCID (oposição), António Monteiro, disse hoje que o primeiro-ministro “deve intervir” para se encontrar uma solução negociada para evitar o prolongamento da greve de três dias que os policiais iniciaram hoje.

“Ainda ontem, tínhamos a esperança que o Governo pudesse sentar-se à mesa com o sindicato representativo dos policias para que se encontrasse uma solução, mesmo que se protelasse um pouco mais a entrada em vigor do acordo”, afirmou a presidenta da União Cabo-verdiana Independente e Democrática, ao ser instado a pronunciar-se sobre a greve dos policiais iniciada hoje em todo o país e que deverá prolongar-se até ao dia 29.

Segundo António Monteiro, uma greve dos policiais nesta altura do ano, ou seja das festas, “poderá aumentar o sentimento de insegurança que as pessoas têm tido nos últimos anos em Cabo Verde”.

“O sentimento de insegurança irá prejudicar nos negócios e na coabitação social”, precisou o líder dos democratas-cristãos, para quem “esta greve pode pôr em perigo a vida das pessoas e seus bens”.

Na perspectiva do presidente da UCID, esta greve poderia ter sido evitada se o “Governo fosse um pouco mais flexível, ou então, se em Março deste ano, altura da assinatura do acordo com sindicato da policia, tivesse dito de forma clara que tinha em mente uma outra politica de segurança e que não seria possível aceitar o compromisso que assumiu”.

Instado se entende que o Governo ainda vai a tempo de voltar à mesa das negociações para que a greve não se prolongue por mais tempo, o líder da UCID respondeu nesses termos: “Acho que o senhor primeiro-ministro deve intervir juntamente com o ministro da Administração Interna para se sentarem com o sindicato e encontrarem uma solução. Estamos numa época muito específica, que exige uma atenção redobrada por parte dos agentes da segurança pública que devem estar nas ruas para protegerem as populações”.

LC/JMV

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos