Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Líder da oposição diz que o povo não esperava que em três anos o país atingisse um estado de “desnorte e desgovernação”

Cidade da Praia, 27 Fev (Inforpress) – A líder da oposição, Janira Hopffer Almada, disse hoje que os cabo-verdianos não esperavam que em três anos de governação do Movimento para a Democracia (MpD) o país atingisse um “estado de desnorte, de desgovernação e de desesperança”.

“O nível de decepção do povo é exactamente proporcional às expectativas que o MpD lhes criou”, afirmou a presidente do Partido Africano da Independência de Cabo Verde (PAICV-oposição), acrescentando que o partido de Ulisses Correia e Silva fez uma “campanha à esquerda para depois governar à direita”.

Para Janira Hopffer Almada, o presidente do MpD “ludibriou” os cabo-verdianos durante as campanhas eleitorais que lhe deram vitória em Março de 2016.

A líder da oposição fez essas considerações no debate mensal  no parlamento com o primeiro-ministro, cujo tema, desta feita,  foi sobre a problemática social e ambiental, agendado a pedido da União Cabo-verdiana, Independente e Democrática (UCID-oposição).

Acusou ainda o primeiro-ministro  de “atacar a governação anterior” naquilo “que  o PAICV conseguiu fazer  de melhor”, enquanto esteve a governar, além de ter atacado o “bom nome de alguns ex-governantes”, fabricando notícias com a “grande cumplicidade da televisão pública”.

Para Janira Hopffer Almada, Ulisses Correia e Silva “atacou as infra-estruturas”, edificadas pelo Governo do PAICV, alegando que o país tem estradas sem carros, aeroportos sem aviões e portos sem barcos, mas que hoje o agora primeiro-ministro está a inaugurar as obras “herdadas” do anterior executivo.

Para a líder da oposição, o chefe do executivo atacou também o “maior programa social edificado em Cabo Verde, desde a independência nacional”, ou seja, o “Programa Casa para Todos”.

“Hoje, as casas estão todas construídas e servem para o senhor as entregar às câmaras municipais e vender ao mercado”, apontou, acrescentando que se está em presença de um Governo “que não tem a sensibilidade social e não tem o rosto humano”.

Na sua perspectiva, é o mesmo Governo que vai pedir apoio à comunidade internacional para fazer face à seca e “gasta milhões em viagens”.

LC/ZS

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos