Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

lha do Fogo: Primeira pedra das obras de requalificação da rua pedonal da cidade de Igreja é lançada esta quarta-feira

São Filipe, 16 Mai (Inforpress) – A primeira pedra das obras de requalificação da rua pedonal “Maria Santa Alves” (Nha MeiSanta), na cidade de Igreja, Mosteiros, é lançada esta quarta-feira, marcando de forma simbólica o arranque dos trabalhos

A requalificação dessa rua histórica, principalmente no domínio do comércio, e a sua transformação numa pedonal, inscreve-se na primeira fase da requalificação da orla marítima da cidade de Igreja (Mosteiros), e está orçada em cerca de cinco mil contos, devendo ficar concluída antes das festas do dia do município dos Mosteiros que se celebra a 15 de Agosto.

Os responsáveis acreditam que as obras da requalificação urbana vão trazer ganhos económico e social para o município, e espera-se que o pedonal valorize o centro da cidade, através da sua transformação num ponto de interesse turístico, onde se pode realizar várias actividades, dispondo inclusive de um centro municipal de informação turística.

A primeira fase de requalificação da orla marítima da cidade de Igreja inclui a reconstrução da casa dos pescadores e o arranjo do arrastador de bote de praia Lantcha.

As obras deverão custar mais de 14 mil contos, sendo que o projecto enquadra-se no programa Plataformas para o Desenvolvimento local e os Objectivos 20/30 em Cabo Verde, e contará com o co-financiamento do Sistema das Nações Unidas, no montante de 30 mil dólares, cerca de 2.800 contos, devendo a parte restante ser mobilizada junto de outros parceiros como os Fundos do Turismo e do Ambiente.

Além do lançamento da primeira pedra da requalificação da Rua Meisanta, a edilidade dos Mosteiros procede esta quarta-feira à entrega formal de mais três moradias a igual número de famílias de baixa renda, na localidade de Murro.

A reabilitação das casas custou cerca de mil e 500 contos, e foi financiada pelo tesouro municipal e pelo Ministério das Infra-estruturas, através do Programa de Reabilitação, Requalificação e Acessibilidades (PRRA).

JR/JMV

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos