Julgamento Amadeu Oliveira: Defesa pede suspensão mas juíza considera inválidos os argumentos

Cidade da Praia, 22 Fev (Inforpress) – A defesa de Amadeu Oliveira pediu a suspensão do julgamento em que o advogado é acusado de 14 crimes de ofensa e injúria contra os juízes do Supremo Tribunal de Justiça, mas a juíza considerou inválidos os argumentos.

A defesa alegou que o 4º juízo crime, responsabilizado para julgar o processo, não tinha competência para o efeito, visto tratar-se de um processo ordinário comum, e, por conseguinte, não se enquadrar dentro dos processos específicos que fazem parte da sua competência.

Por outro lado, adiantou que o despacho da juíza/presidente do Tribunal de Relação, que, na perspectiva da defesa, foi proferida de forma “monocrática e ilegal”, concedendo legitimidade à juíza do 4º juízo para julgar o processo em que Amadeu Oliveira, não foi dado a conhecer ao arguido.

“A defesa contesta, deste modo, daqui e para o futuro a decisão da juíza, uma vez como o arguido em momento algum foi notificado do despacho da presidente do Tribunal de Relação, o que configura grave violação dos números 6 e 7 da lei fundamental, que diz que quaisquer questões suscitadas no âmbito do processo penal estão sujeitas ao contraditório”, disse uma das advogadas de defesa.

Ademais acrescentou que o despacho da presidente do Tribunal de Relação violou as regras de competência organizacional e de funcionamento daquele tribunal que determina que o tribunal é composto por três juízes.

Por seu lado, o representante do Ministério Público considerou que essa questão de competência da juíza foi resolvida, já que a juíza/presidente do Tribunal de Relação declarou o 4º juízo competente, em substituição do titular do 3º juízo, para julgar esse caso.

Contudo, adiantou que se efectivamente o arguido não foi notificado do despacho que legitima o 4º juízo para esse julgamento, há possibilidade para admissão de um recurso à decisão.

A Juíza do processo, Ivanilda Mascarenhas Varela, recusou o requerimento da defesa, afirmou que o arguido foi notificado no dia 05 de Janeiro e prosseguiu com a audiência de julgamento, iniciada na manhã de hoje.

Momento antes da audiência, já no interior do tribunal, Amadeu Oliveira afirmou que o seu julgamento, é uma “fraude” para condenar o emigrante santantonense Arlindo Teixeira, seu cliente inicialmente condenado por 11 anos e cuja audiência pública contraditória, do recurso no Supremo Tribunal de Justiça, estÁ marcada para o dia 25 de Fevereiro próximo.

MJB/ZS

inforpress/fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos