JPAI acusa primeiro-ministro de tentativa de compra de consciência dos jovens cabo-verdianos

Cidade da Praia, 19 Fev (Inforpress) – A Juventude do Partido Africano da Independência de Cabo Verde (JPAI – oposição) acusou o primeiro-ministro, Ulisses Correia e Silva, de tentativa de compra de consciências dos jovens cabo-verdianos com medidas de curto prazo para tirar benefícios eleitorais. 

Em conferência de imprensa hoje, na cidade da Praia, o presidente da JPAI, Fidel de Pina, afirmou que na reta final de mandato, Ulisses Correia e Silva anunciou um conjunto de medidas eleitoralista, que constam no último orçamento de Estado com objectivo único de tirar dividendos nas legislativas de 18 de Abril.

Por outro lado, acrescentou que se tem assistido ao comportamento “afoito” do chefe do Governo com a promoção de vários encontros com jovens, um pouco por todo o país, com muita animação musical de vários artistas com o intuito de atrair os jovens.

“A JPAI condena este comportamento político inaceitável do primeiro-ministro. Não podemos aceitar isso”, disse, salientando que o comportamento do primeiro-ministro não é sério e nem politicamente aceitável.

Fidel de Pina salientou que os encontros com a juventude estiveram suspensos durante quase cinco anos, e questiona porque é que só agora, nas vésperas das eleições, é que o Governo acordou para as questões da juventude.

“Porque é que as medidas em relação à juventude não foram tomadas ao longo do mandato? Porque é que a juventude não esteve no centro das políticas deste Governo ao longo dos quase cinco anos?”, questionou.

De entre as medidas que considera “eleitoralistas”, por serem tomadas à última da hora, o presidente da JPAI apontou a distribuição de equipamentos desportivos, o aumento exponencial das bolsas de estudo, o pagamento das dívidas das propinas dos alunos nos últimos anos dos cursos, distribuição de computadores, entre outras.

“São boas medidas. A questão aqui não é se são boas ou más, mas a questão aqui é o período em que estão a ser executadas e com que intenção, porque se nós queremos resolver os problemas temos de tomar as medidas a tempo e não deixar no último período para vir tomar as medidas”, sustentou acrescendo que o Governo sustentado pelo MpD tem hipotecado a vida dos jovens cabo-verdianos.

Neste sentido alertou os jovens que se tiverem que aceitar esses apoios, que aceitem, mas que na hora de decidir pelo país que decidam para o bem da própria juventude e para o bem do próprio país.

“As medidas de curto prazo só surtem efeitos no momento, e o problema vai persistir. Por isso é que nós defendemos políticas estruturadas e não medidas avulsas com objectivos eleitoralistas”, disse.

MJB/ZS

Inforpress/fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos