Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Joaquina Almeida apela à união na luta contra as adversidades do quotidiano laboral em Cabo Verde

Cidade da Praia, 26 Set (Inforpress) – A secretária-geral da União Nacional dos Trabalhadores de Cabo Verde – Central Sindical (UNTC-CS) apelou hoje a “mais união” na luta contra as adversidades laborais existentes em Cabo Verde, reforçando que não é com “desavenças internas” que se resolve os problemas.

Joaquina Almeida fez esta invocação no encerramento do Seminário Formativo sobre as Normas Internacionais do Trabalho, que decorreu nos dias 25 e 26, promovido pela UNTC-CS e dirigido aos seus associados.

“Aproveitamos o fórum, com a presença de todos, para apelar àqueles que têm responsabilidades a nível da direcção dos seus sindicatos, a respeitarem, escrupulosamente, os estatutos da UNTC-CS, bem como os seus, sobretudo, no que tange às suas obrigações e deveres”, exortou.

O ambiente na Central Sindical, avançou, está normal, mas com as suas dificuldades e divergências que, segundo ela, “existem em qualquer casa”.

“Há vozes da oposição que dizem ser democratas, mas não são porque se você é democrata você tem que aceitar os resultados das eleições”, mencionou, realçando que se deve aceitar as decisões do Tribunal.

Enfatizou, por outro lado, que há sindicatos que foram suspensos até à sua regularização, nomeadamente, SICOTOUR, SISCAP, STAPS e STIF, por não pagarem quotas, uma vez que, segundo ela, a UNTC-CS vive “exclusivamente” disso.

No mês de Agosto, o Sindicato da Indústria, Silvicultura, Agricultura e Pescas (SISCAP) e o Sindicato dos Trabalhadores das Instituições Financeiras foram suspensos da UNTC-CS, por falta de pagamento de quotas.

Uma decisão que, em jeito de reacção, o presidente do STIF, Aníbal Borges, diz ser “ilegal e arbitrária”, o que, conforme ele, mostra “as irregularidades em que navega” a secretária-geral, Joaquina Almeida.

No que se refere às Normas Internacionais do Trabalho, a líder da maior central sindical explicou que, apesar das linhas tripartidas entre o Governo, os empregadores e sindicatos, vários relatórios e recomendações já foram elaborados para serem entregues na Organização Internacional do Trabalho (OIT), mas segundo ela, é o dever do executivo entregá-los.

“Infelizmente, há que mudar esse défice. Temos que chamar a atenção do Governo para sabermos o que que se passa”, admitiu.

É neste sentido que Joaquina Almeida certificou ser de “imperiosa importância” que os dirigentes sindicais tenham o conhecimento das convenções ratificadas por Cabo Verde, para intervirem em órgãos próprios e não só, com competências e uma “representação digna” dos trabalhadores.

Mencionou, também, que o evento serviu para a socialização da “mais recente” convenção sobre o trabalho, adoptada na 108ª conferência da OIT, que refere sobre os abusos, as violações e assédios nos espaços laborais.

“É muito importante esta convenção e há necessidade de fazer uma sensibilização com todos, de modo que o Governo de Cabo Verde possa ratificar esta convenção”, manifestou.

WM/LC/JMV

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos