Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Israel pede mais pressão sobre Irão

Jerusalém, Israel, 05 Set 2019 (Inforpress) – O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, pediu hoje mais pressão sobre Teerão, após o Irão ter anunciado que vai retirar quaisquer limites à pesquisa e ao desenvolvimento nuclear.

“Não é o momento de conversar com o Irão, é o momento de aumentar a pressão” sobre Teerão, disse Netanyahu antes de viajar para Londres, onde deve deverá encontrar-se com o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, e com o secretário da Defesa dos Estados Unidos, Mark Esper.

Na quarta-feira, o Presidente do Irão, Hassan Rohani, anunciou que vai retirar quaisquer limites à pesquisa e ao desenvolvimento nuclear, a fim de fornecer ao país tudo o que precisa para o enriquecimento de urânio.

“A organização iraniana de energia atómica recebeu a ordem para tomar as medidas necessárias em pesquisa e desenvolvimento e abandonar todos os compromissos existentes nessa área”, disse Rohani na televisão do Estado.

Segundo o Presidente iraniano, esta decisão surge depois de “não terem sido alcançados os resultados desejados” na recente tentativa diplomática liderada pela França para tentar impedir o falhanço do acordo nuclear concluído em Julho de 2015, em Viena.

Na terça-feira Washington, impôs pela primeira vez sanções à agência espacial do Irão, acusando-a de desenvolver mísseis balísticos sob a cobertura de um programa civil para lançar satélites em órbita, mais um passo na campanha da administração Trump de medidas económicas e diplomáticas contra Teerão, desde que no ano passado os EUA se retiraram unilateralmente do acordo nuclear de 2015.

O pacto foi assinado entre o Irão e os cinco membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU (Estados Unidos, França, Reino Unido, Rússia e China), mais a Alemanha, e previa o levantamento de sanções internacionais em troca de limitações e maior vigilância do programa nuclear iraniano.

Um ano após o anúncio da decisão norte-americana de abandonar o acordo, o Irão declarou que não se sentia obrigado a continuar a respeitar alguns dos seus compromissos no pacto enquanto os restantes signatários não conseguissem ajudá-lo a contornar as sanções dos Estados Unidos.

Também na terça-feira, Rohani rejeitou manter negociações bilaterais com os Estados Unidos e disse que, caso Washington levante as sanções, apenas aceita um diálogo multilateral com os países que assinaram o acordo nuclear com Teerão em 2015.

Inforpress/Lusa/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos