Isenção de vistos é para todos os cidadãos da União Europeia mais o Reino Unido – Governo

 

Cidade da Praia, 03 Mai (Inforpress) – O ministro dos Negócios Estrangeiros e Comunidades, Luís Filipe Tavares, afirmou hoje que a isenção de vistos, decisão anunciada pelo Governo, é para todos os cidadãos da União Europeia mais o Reino Unido que querem visitar Cabo Verde.

O governante fez estas afirmações na Cidade da Praia, durante uma conferência de imprensa para fazer balanço do périplo efectuado de 16 a 30 de Abril à Europa Central e do Leste, numa missão de sensibilização e reforço da Parceria Especial Cabo Verde / União Europeia.

Explicou que a isenção de vistos para esses cidadãos é para facilitar a entrada e circulação no arquipélago, mas que em relação aos outros trâmites, o primeiro-ministro, Ulisses Correia e Silva, deverá anunciar “como é que as coisas vão ser”.

No dizer do ministro, sobre essa matéria há “total transparência”, reforçando que com isto estão a defender os interesses de Cabo Verde, tendo em conta que vai ser “muito importante” para a economia cabo-verdiana, na criação do emprego e na facilitação de investimentos, e vai fazer com que o país tenha “muito mais turismo”.

Luís Filipe Tavares lembrou que vários países do mundo, que têm estratégias de desenvolvimento do seu turismo, estão a isentar vistos, “com naturalidade”, salientando que é uma medida que todo governo pensa ser “de grande alcance”.

Em relação as críticas de que com a isenção de vistos aos cidadãos europeus o país vai perder receitas, por causa das taxas que deixará de cobrar, o governante asseverou que as receitas serão compensadas de outras formas.

Com esta medida, afiançou que as receitas geradas com o fluxo de turistas que vão aumentar para Cabo Verde e os investimentos que vão decorrer são mais de quatro ou cinco vezes daquilo que se cobra em taxas de vistos.

“Não há motivos para grandes preocupações. Cabo Verde sempre foi um país muito responsável e este Governo está a trabalhar para transformar Cabo Verde. Vamos transformar Cabo Verde através da nossa parceria com União Europeia, através da nossa parceria estratégica na área de defesa e segurança com os Estados Unidos da América”, lançou.

Sobre as críticas de que com a isenção de vistos aos cidadãos europeus o país vai permitir a entrada de criminosos, Luís Filipe Tavares clarificou que o visto não é a única garantia para se entrar em Cabo Verde, e que se a pessoa não estiver em condições será deportada para o seu país de origem.

Esclareceu ainda que quando o primeiro-ministro falou do espaço Schengen, referia-se a questão da securitização, argumentando, que o Governo quer que o controlo efectivo das fronteiras nacionais (áreas e marítimas) seja do mesmo nível que no espaço Schengen, ou seja, uma pessoa que entra em Cabo Verde e depois vai para qualquer país da União Europeia, vá nas mesmas condições que um cidadão que sai da Alemanha para ir à França.

Luís Filipe Tavares clarificou ainda que o projecto de securitização, já entregue à União Europeia, quer dizer segurança nas fronteiras e não mobilidade, que vai desde partilha de informação com as diversas policias europeias para que saibam que qualquer cidadão europeu viajou respeitando todas as normas de segurança.

FM/CP

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos