Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Irão escolhe presidente em eleição vista como referendo ao acordo nuclear de 2015

 

Teerão, 17 Mai (Inforpress) – O Irão vota na sexta-feira nas primeiras presidenciais desde o acordo nuclear de 2015, uma eleição vista como um referendo ao pacto disputada entre o moderado Hassan Rohani e o conservador Ebrahim Raissi.

No acordo nuclear, concluído entre a administração Rohani e as potências mundiais do chamado Grupo 5+1, Teerão aceitou reduzir as actividades nucleares em troca do levantamento das sanções económicas, mas o esperado alívio económico ainda não se produziu.

Rohani, eleito em 2013 e candidato à reeleição, conseguiu quebrar o isolamento do país, chegando a reunir-se com o anterior presidente dos EUA, Barack Obama, embora a eleição de Donald Trump para o cargo, que na campanha disse que iria “rasgar o acordo nuclear”, tenha suscitado receios.

Favorito na corrida, Rohani conseguiu congregar o apoio de destacados reformadores – como Mehdi Karubi, Mir Hossein Mussavi, em prisão domiciliária desde 2009, e Mohammad Khatami -, ao colocar as liberdades e as reformas no centro da campanha.

Já o tinha feito em 2013, mas alega “a intransigência do poder judicial e dos serviços de segurança” para justificar a continuação das detenções de jornalistas, estudantes e artistas nestes quatro anos.

Contra ele corre Ebrahim Raissi, um conservador que analistas consideram ambicionar, mais que a presidência, a sucessão ao guia supremo, Ali Khamenei, a quem competem todas as grandes decisões.
Khamenei, que sucedeu ao ‘ayatolah’ Khomeini em 1989, está com 77 anos e alguns problemas de saúde.

As presidenciais são disputadas por mais um candidato, o conservador Mostafa Mirsalim, depois das desistências nos últimos dias dos reformadores Mostafa Hashemitaba e Es-Hagh Jahanguiri, que apelaram ao voto em Rohani, e do presidente da câmara de Teerão conservador, Bagher Qhalibaf, que pediu o voto em Raissi.

O poder no Irão é controlado por vários órgãos e as grandes decisões tomadas pelo guia supremo, mas o presidente, eleito por sufrágio universal, tem alguma margem, designadamente na política económica, e a economia é a principal questão em jogo nesta eleição.

Graças ao acordo nuclear, a retoma das exportações de petróleo permitiu em 2016 um crescimento de 6,5% e a redução da inflação de 40% para 9,5%. Mas o investimento estrangeiro esperado continua por se concretizar e a taxa de desemprego atinge os 12,5% globalmente, 27% entre os jovens.

O acordo nuclear, aprovado pelo guia supremo, não é questionado por nenhum dos candidatos, mas os conservadores rejeitam a necessidade de investimento externo, defendendo uma “economia de resistência” assente no “made in Iran” e nos investimentos nacionais.

A situação das classes populares e o desemprego são explorados pelos conservadores, que prometem triplicar a ajuda aos mais desfavorecidos e criar um milhão de empregos por ano.

Cerca de 56 milhões de eleitores estão convocados para as eleições, 2,5 milhões dos quais votam no estrangeiro.

Lusa/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos