Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

IPC e congénere portuguesa assinam em 2020  acordo de parceria no domínio da museologia e gestão de museus

Cidade da Praia, 18 Nov (Inforpress) – O Instituto do Património Cultural (IPC) e a Direcção-geral do Património Cultural de Portugal vão assinar, em Abril de 2020, um acordo de parceria para formalizar o já existente no domínio da museologia e gestão de museus.

A informação foi divulgada hoje pelo IPC, no seu site, e confirmado à Inforpress pelo presidente do IPC, Jair Fernandes, que neste momento acompanha o ministro da Cultura e das Indústrias Criativas, Abraão Vicente, na 40ª Conferência Geral da Unesco, em França, e nos encontros bilaterais, para discutir várias questões relativamente à cultura, indústrias criativas, comunicação social.

Antes de partir para França, Jair Fernandes esteve em Portugal onde visitou o Museu Nacional Resistência e Liberdade, em Peniche, acompanhado da diretora-geral do Património Cultural de Portugal.

Uma visita que aconteceu no âmbito de uma cooperação entre a a Direcção-geral do Património Cultural de Portugal e o IPC tendo como objecto o ex-Campo de Concentração do Tarrafal e o Museu da Resistência e Liberdade (Fortaleza de Peniche).

“Histórias e memórias que se cruzam e que vai unir uma vez mais estes dois espaços, agora pelo conhecimento e preservação da memória histórica para as futuras gerações. É neste sentido que o IPC e a DGPC pretendem assinar um acordo de parceria para formalizar um acordo já existente”, lê-se no site.

O futuro acordo de parceria, informou, visa capacitação técnica em áreas como a museologia e gestão de museus, assistência técnica e intercâmbio entre técnicos das duas estruturas, mobilização de financiamentos, assim como apoio técnico e cientifico ao projecto de candidatura do ex-Campo de Concentração do Tarrafal de Santiago a património mundial.

O ex-Campo de Concentração do Tarrafal de Santiago, que alberga o actual Museu da Resistência, foi criado em 1936 para encarcerar presos políticos opositores do Regime Salazarista.

O Museu Nacional Resistência e Liberdade, em Peniche, Portugal, nasceu do reconhecimento da Fortaleza de Peniche enquanto espaço-memória e símbolo maior da luta pela liberdade nacional portuguesa, da resistência à ditadura do Estado Novo. Isto após a libertação dos presos políticos a 27 de abril de 1974.

Reconhecendo este símbolo, o Governo português decretou em 2017 a criação do museu nacional naquele sitio que preservou a memória de 48 anos de supressão da liberdade em Portugal.

AM/AA
Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos