Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Investigadora da Universidade Nova de Lisboa defende mais estudos sobre a vida e obra de Amílcar Cabral (c/áudio)

Cidade da Praia, 21 Nov (Inforpress) – A investigadora da Universidade Nova de Lisboa, Portugal, Aurora Santos defendeu hoje a necessidade de haver “mais estudos e maior envolvimento” das pessoas sobre a vida e o legado de Amílcar Cabral na luta pela independência de Cabo Verde.

À Inforpress, à margem da mesa redonda “Novas dimensões no estudo da luta pela independência da Guiné-Bissau e Cabo Verde”, promovido pelo Instituto de História Contemporânea da Universidade Nova de Lisboa, através da Fundação Amílcar Cabral, na Cidade da Praia, a investigadora disse que pretende com isto  tentar mostrar a actividade diplomática do PAIGC foi tão importante quanto a luta armada.

Conforme Aurora Santos, que abordou o tema “ A actividade diplomática do PAIGC no inicio da década de 60 até 74”, a actividade diplomática permitiu ao movimento legitimar-se e chegar a uma posição de superioridade em relação as outras organizações ao 25 de Abril e às negociações da independência da Guiné-Bissau e Cabo Verde com Portugal.

Entretanto, lamentou que não haja ainda tantas investigações sobre Amílcar Cabral e a sua entrega à luta pela independência de Cabo Verde, apelando, neste sentido, a um “maior envolvimento” das pessoas   na divulgação e preservação do legado daquele que é considerado o pai da nacionalidade cabo-verdiana.

“Falta ainda desenvolver muitos estudos sobre Amílcar Cabral, há muita vertente sobre a personalidade dele e o trabalho que desenvolveu que ainda não são reconhecidos e quanto ao seu reconhecimento, acho que pelo menos aqui em Cabo Verde, é reconhecido e considerado o herói nacional”, afirmou.

Por seu turno, o docente da Universidade de Cabo Verde Manuel Veiga destacou a importância de haver uma “pedagogia de empatia e de verdade” no ensino sobre a vida e obra de Amílcar Cabral, que, no seu entender, foi um homem com muitas valências.

Para este responsável é preciso ainda haver mais debates no dia-a-dia sobre Amílcar Cabral evitando assim que o mesmo seja lembrado somente nas datas memoráveis.

“Cabral foi um homem da cultura, humanista, estratega, diplomata, líder. O estudante que quando vai estudar nos diversos escalões sobretudo no secundário é preciso uma pedagogia de verdade aquilo que o homem é como verdade e não como um mito”, precisou, declarando que Amílcar Cabral poderá ser recordado através da investigação, tradução das obras e os testemunhos daqueles que o conhecerem.

CM/AA

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos