Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

INSP reúne parceiros com enfoque na melhoria das respostas a problemática das hepatites virais

Cidade da Praia, 28 Jul (Inforpress) – O Instituto Nacional de Saúde Pública (INSP) reúne-se na segunda-feira, 02, com os seus parceiros para debater a problemática das hepatites virais com enfoque na melhoria das respostas analisadas e melhores estratégias para o seu enfrentamento.

A informação foi dada à Inforpress, pelo administrador executivo do INSP, Júlio Rodrigues, a propósito do Dia Mundial das Hepatites Virais, que se assinala hoje, 28 de Julho, sob o tema “Hepatite não pode esperar”.

O seminário vai reunir especialistas, sociedade civil, profissionais de saúde e instituições parceiras, para debater a problemática das hepatites virais, o que foi feito, e ainda o que poderá ser feito para melhorar as respostas analisadas e reduzir cada vez mais o peso global das hepatites virais na saúde pública na sociedade cabo-verdiana.

A celebração da efeméride, cujo objectivo é uma maior consciencialização e compreensão da doença e dos riscos, bem como a melhoria do acesso à prevenção, diagnóstico e tratamento, visa alertar e transmitir a urgência dos esforços necessários para eliminar a hepatite, como uma ameaça à saúde pública até 2030.

O administrador do INSP disse que em Cabo Verde, os dados do Relatório Estatístico do Ministério da Saúde referente ao ano de 2014 a 2019 apontam entre 19 e 56 casos de hepatite viral por 100 mil habitantes.

Entretanto, avançou que esforços estão a ser feitos para diminuir a incidência no arquipélago, nomeadamente com a introdução da vacina contra a hepatite B, que faz parte do calendário vacinal e o rastreio da infecção pelo vírus da hepatite B e C, que é sistematicamente realizado em cada doação de sangue e proposto nas consultas de seguimento pré-natal.

Por outro lado, há também acções previstas no âmbito do Plano de Acção 2021 do Ministério da Saúde, nomeadamente a realização de uma campanha de sensibilização sobre doença.

“Melhoramos bastante a questão da segurança transfusional para reduzir o risco de contaminação, as capacidades laboratoriais, segurança laboratoriais, o aprimoramento formação e capacitação dos técnicos e melhoria do diagnóstico”, apontou.

Para o responsável do INSP, os dados chamam atenção para o reforço da estratégia de intervenção, capacidade de reconhecer a importância que as hepatites virais têm na saúde pública e buscar permanentemente as melhores estratégica para o seu enfrentamento.

Segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), as estatísticas mundiais mostram que uma pessoa morre a cada 30 segundos de uma doença relacionada à hepatite mesmo na actual crise da covid-19.

Os dados indicam que as hepatites virais constituem uma prioridade da saúde mundial, sendo que cerca de 350 milhões de pessoas no mundo apresentam infecções crónicas por hepatite B e 170 milhões por hepatite C.

A doença causa a morte a cerca de 1,4 milhões de pessoas por ano, por ser uma doença silenciosa e que nem sempre apresenta sintomas pode resultar na possibilidade real das pessoas desenvolverem a doença hepática fatal em algum momento das suas vidas e em alguns casos, sem saber se transmitem a infeção para outros.

AV/CP

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos