INE perspectiva mesa redonda para mobilização de recursos necessários para financiamento do CENSO 2020 (c/áudio)

Cidade da Praia, 15 Fev (Inforpress) – O Instituto Nacional de Estatística perspectiva a realização de uma mesa redonda e encontros com parceiros, visando a mobilização de recursos para cobrir o ‘gap financeiro’ existente neste momento a nível do Orçamento do Censo 2020.

Segundo o presidente do conselho de administração do INE, Osvaldo Borges, o Recenseamento Geral da População e Habitação (Censo), considerado a maior operação estatística de um país, está orçado em cerca de 400 mil contos.

Contudo, até este momento o INE conseguiu mobilizar apenas 30% do montante global, o que acaba por colocar um grande desafio à instituição que começou já a preparação da operação estatística que terá lugar em 2020.

“Nós já temos um apoio muito grande da cooperação espanhola, da União Europeia e das Nações Unidas, mas todos esses apoios correspondem ainda a cerca de 30% do total. Quer dizer que há ainda um ‘gap financeiro’ muito grande que nós juntamente com o Governo estamos a trabalhar no sentido de poder ter esses recursos para nos apoiar nas actividades até ao próximo ano”, disse.

Neste momento já está instalado o Gabinete do Recenseamento, que está localizado no Platô, e que já lançou um conjunto de concursos para recrutamento de cartógrafos, já que no próximo mês vai-se iniciar a cartografia censitária ou o pré-recenseamento.

O Gabinete do Censo, conforme indicou o Presidente do INE contou com a colaboração da cooperação espanhola, a União Europeia vai apoiar o pré-censo e as Nações Unidas estão a apoiar na elaboração dos aplicativos que irão funcionar durante cartografia censitária e outras operações a serem realizadas.

“Penso que há um contributo de todos os parceiros. Neste momento temos um bolo maior no Orçamento do Estado para cobrir o funcionamento de gabinete, mas haverá certamente outras acções que nós iremos realizar como mesas redondas, encontros com os parceiros de cooperação, e se houver alguma necessidade, recorrer ao crédito como tem acontecido em outras operações”, explicou.

O presidente do INE falava aos jornalistas no final de uma visita da embaixadora de Espanha em Cabo Verde às instalações do instituto, durante a qual anunciou que este ano a cooperação espanhola vai desembolsar 68 mil euros ao INE, correspondente à primeira tranche do montante global de 350 mil euros que a cooperação vai disponibilizar para as operações estatística em Cabo Verde nos próximos anos ao abrigo de um protocolo assinado em 2018.

MJB/FP

Inforpress/fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos