Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Ilha do Sal: Trabalhadores dos hotéis “suplicam” apoio da câmara municipal

Espargos, 05 mar. (Inforpress) – O porta-voz dos trabalhadores de hotéis, na ilha do Sal “suplicou” hoje o apoio da câmara municipal, por se sentirem “abandonados e a passar por momentos difíceis”, desde a chegada da covid-19 que afectou “gravemente” a ilha turística.

Em representação dos trabalhadores dos hotéis, especialmente os do Meliá Dunas Beach Resort, Justino Assunção, fez esse desabafo, no período antes da ordem do dia, destinado aos munícipes, durante os trabalhos da II Sessão Ordinária do VIII Mandato.

“As instituições não estão a funcionar. Os trabalhadores dos hotéis, no ramo da hotelaria, neste caso concreto, estão ao deus dará, pelo que pedimos apoio da Câmara Municipal do Sal, no sentido de valer as famílias, muitas das quais estão a vender seus mobiliários, seus pertences, frigorífico, fogão (…) para driblar as necessidades ou sair da ilha”, exteriorizou, em tom de pedido de socorro.

Segundo Justino Assunção, os 11 mil escudos que os trabalhadores do Hotel Meliã, em ‘lay off’, no Sal, vêm recebendo, “decisão unilateral” da administração da empresa, “não chega para nada”.

“É para sentar e chorar. Estamos a sofrer calados. A situação é preocupante. Por isso, pedimos à câmara municipal que ajude as nossas famílias”, insistiu, visivelmente perturbado com a situação.

Face às preocupações, o presidente da Câmara Municipal do Sal, Júlio Lopes, admite as dificuldades por que esses profissionais estão a passar, entretanto, não aceita as acusações de que a câmara “não fez nada”, para fazer face à situação de pandemia que se vive na ilha, no País e no Mundo.

Relativamente ao “Grupo Resort” , Júlio Lopes disse que, para além de outras medidas, a autarquia local “contratou um advogado” para apoiar os trabalhadores na resolução dos seus problemas, acreditando que vão receber “todo o dinheiro a que têm direito” pela via do tribunal.

“É um sofrimento de toda a gente em Cabo Verde e de toda a gente no mundo. Há uns meses atrás, na cidade de Nova York, pessoas foram enterradas em valas comuns”, ilustrou, referindo que Cabo Verde está a passar por situações difíceis, mais por causa do impacto negativo ao nível da actividade económica, dos rendimentos.

“E a ilha do Sal foi a mais afectada pela covid-19, tendo em conta a sua vocação e actividade turística. Se não há turismo, a situação é difícil no Sal”, reflectiu, reiterando solidariedade aos trabalhadores do Melia Dunas Beach Resort, aos pequenos empresários, os que têm seus pequenos negócios.

“Enfim, todos aqueles que, directa ou indirectamente, estão a sofrer por causa dessa pandemia. Nós todos estamos em baixo, o mundo está em baixo, estamos em plena pandemia (…)”, exteriorizou, fazendo fé nas vacinas.

SC/JMV
Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos