Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Ilha do Sal: Sindicalista afirma que trabalhadores vivem num clima laboral de medo e ameaças

Espargos, 19 Mar (Inforpress) – A presidente do Sindicato dos Trabalhadores Comunicações e Administração Pública (SINTCAP), na ilha do Sal, afirmou hoje que os trabalhadores na ilha, vivem num clima laboral de medo, ameaças e incertezas.

Maria de Brito fez essa constatação durante conferência de imprensa, após reunião de balanço das actividades desenvolvidas pela SINTCAP, durante o ano transacto, não obstante admitir, conforme disse, alguns ganhos conseguidos, tanto em sede de negociação como em fórum judicial.

“A direcção constatou que a situação laboral que se vive na ilha é preocupante. Os trabalhadores vivem num clima de medo, represália, intimidação, ameaça e incertezas, principalmente por causa do processo de privatizações e concepções, envoltos num profundo secretismo”, asseverou.

Referindo a alguns ganhos conseguidos, apontou a implementação do novo sistema de gestão de recursos humanos da CV Handling (CVH), – “embora ainda a corrigir algumas situações” -, o pagamento por parte da TACV das actualizações das anuidades em atraso referentes ao período 2006 a 2014, a um grupo de trabalhadores transferidos para a CVH, entre outras situações.

Porém, desta análise da situação sócio-laboral, Maria de Brito acrescentou que o sindicato regista um conjunto de problemas que vêm afectando os trabalhadores do sector, com destaque para os da TACV, do Instituto Nacional de Meteorologia e Geofísica, dos Correios, da Matec, da CV Telecom, entre outros.

“Estes problemas têm a ver com o processo de privatização, com os programas de pré-reforma, a perda e o agravamento do poder de compra dos trabalhadores pela não atribuição do aumento salarial, a redução de alguns direitos adquiridos etc.”, explicou.

Enquanto sindicalista, Maria de Brito mostra-se, igualmente preocupada com o “silêncio” do governo, conforme disse, relativamente às alterações do Código Laboral.

“Um compromisso assumido em sede de Concertação Social cujo patronato subscreveu. Nesta matéria, o SINTCAP defende a reposição das indemnizações, atribuindo ao trabalhador uma indemnização mais digna e justa em situações de despedimento colectivo e despedimentos sem justa causa”, apontou, entre outras reclamações.

“Estamos a viver um ambiente laboral de muita preocupação. A situação está medonha. Estamos a viver o pior momento a nível da história laboral em Cabo Verde”, concluiu, defendendo uma gestão mais humana por parte dos gestores deste país.

SC/CP

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos