Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Ilha do Sal: Pessoas queixam-se da situação de saúde mental na ilha

Espargos, 13 Nov. Inforpress) – As pessoas, das diferentes comunidades, na ilha do Sal, manifestam-se preocupadas com a situação da saúde mental na ilha, e apelam as autoridades competentes bem como respectivas famílias a cuidarem desses doentes, permitindo-lhes mais dignidade, enquanto ser humano.

Constatando algumas reclamações por parte dos cidadãos sobre a situação dos doentes mentais que deambulam no centro das cidades de Espargos e Santa Maria, a Inforpress quis saber o sentimento das pessoas em relação à matéria tendo a maioria considerado que o problema “é estrutural, mas grave”.

Não obstante encararem que a estrutura de saúde local não tem condições a nível físico nem técnico para dar resposta à demanda, e com a “degradação” das condições de vida na ilha, conforme alguns dizem, “facto é que a ilha vem registando muitos problemas” com pessoas a viverem na rua.

Em Santa Maria, segundo conta Nilsa Monteiro, os doentes mentais passam a vida na Pedonal, nus ou seminus, com os órgãos genitais à mostra, a masturbar-se, a defecar na via pública, a perseguir os turistas.

Nos Espargos, também pasmos com o problema, tanto pessoas individuais, como comerciantes de lojas, bares e restaurantes, apontam um caso “grave” de uma senhora que tira a roupa na praça pública 19 de Setembro, ficando nua nesta zona do centro da cidade bastante frequentada.

Além desta senhora, lamentam, ainda, a permanência de outros doentes mentais que defecam e urinam nas próprias roupas, vendo-se carregados de moscas, dormem na Rua Toy Pedro e na praça, situação, igualmente, presenciada por residentes, turistas e visitantes.

“Isto é horrível. É horrível para a dignidade das pessoas que têm direito à dignidade e à sua saúde, é também horrível porque somos uma ilha turista e temos que dar conforto e segurança às pessoas que nos visitam”, exteriorizam uns e outros.

“É uma situação muito grave que a ilha do Sal tem de procurar e encontrar respostas. A Câmara Municipal, no âmbito das suas competências, mas o Ministério da Saúde, também. A ilha não tem um psiquiatra, a família não toma conta (…)”, completou Nuno Almeida.

Confrontado com o panorama, o delegado da Saúde local, José Rui Ramos, admite a existência desse problema, explicando que pouco ou nada poder-se-á fazer se a família não ajudar e as instituições sociais não apoiarem.

“O problema é estrutural. É uma preocupação nossa. Nós não temos onde albergar essas pessoas que sofrem de doença mental. Já reunimos com as instituições na ilha, a polícia, a câmara, o tribunal (…) para ver o que juntos podemos fazer no sentido de reverter a situação”, aclarou.

“Ás vezes apanhamo-los, compulsivamente, para irem tomar banho na Protecção Civil, serem medicados no hospital, mas dois dias depois estão na rua novamente, porque não temos onde colocá-los para melhores cuidados”, conta em tom de lamento.

Desassossegado com a situação de demência na ilha, embora considere que os casos não são novos, o responsável assegurou que está-se a estudar “todas as formas possíveis” para solucionar o problema, já que se aboliu o sistema de psiquiatria, por isso projecto fora de cogitação.

“Daí que, estruturas de apoio social e as respectivas famílias deverão apoiar e tomar conta dessas pessoas. Nós damos remédio de graça. Se a família não ajudar (…) fica-nos difícil”, concluiu o médico.

SC/CP

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos