Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Ilha do Sal: Manifestação ocorre com fraca participação dos trabalhadores (c/áudio)

Espargos, 13 Jan. (Inforpress) – Os trabalhadores, na ilha do Sal, não responderam ao apelo dos sindicatos filiados na UNTC-CS para a manifestação convocada para hoje, tendo o desfile ocorrido com uma fraca participação dos laboriosos.

Um grupo de treze sindicatos filiados da UNTC-CS, a maior central sindical do país, escolheu o Dia da Liberdade e da Democracia, assinalado hoje, para a realização desta manifestação, a nível nacional, para denunciar a precariedade sócio-laboral, mas no Sal, tudo indica que os trabalhadores não quiseram sair da sua zona de conforto, aproveitando este dia feriado de outra forma.

Porém, para a presidente do Sindicato dos Transportes, Comunicações e Administração Pública (SINTCAP), no Sal, Maria de Brito, várias condicionantes poderão ter ditado a fraca adesão, desde a fragmentação dentro da própria organização, a UNTC-CS, conforme disse, “desmobilização vergonhosa dos dirigentes deste país, que politizaram esta manifestação”, entre outras situações.

“Temos que admitir que se não estamos com capacidade para congregar dentro da nossa própria família, também teremos dificuldades em unir os trabalhadores. Entretanto, não obstante a fraca participação esperamos que a mensagem tenha passado, e que chegue ao Governo”, exteriorizou, ponderando, entretanto, que há que “parar com a tendência de se estar a politizar tudo e mais alguma coisa”.

“Porque assim, estamos a fragilizar a nossa democracia e a participação da sociedade no desenvolvimento do país”, frisou, apontando, que ao Governo está-se a pedir, “simplesmente”, menos precariedade laboral, mais respeito, dignidade e fiscalização.

Maria de Brito volta a referir, que situações de promoções, reclassificações e reenquadramentos, morosidade da justiça laboral, funcionamento deficiente da Inspecção Geral do Trabalho (IGT) e da Direcção Geral do Trabalho (DGT), falta de actualização da lei do seguro obrigatório, de entre outros aspectos, são as razões que levaram à ponderação dessa manifestação a nível nacional.

A sindicalista concluiu apelando aos trabalhadores a terem “menos medo e mais união”.

SC/ZS

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos