Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Ilha do Sal: Intervenientes no processo de atendimento às vítimas reflectem sobre o que é género e VBG

Espargos, 09 Set (Inforpress) – Intervenientes no processo de atendimento às vítimas de Violência Baseada no Género (VBG), na ilha do Sal, participam, a partir de hoje, numa formação de dois dias para reflectirem e capacitarem-se em técnicas de atendimento às vítimas. 

Esta acção de formação é promovida pela Associação Cabo-Verdiana de Luta Contra a Violência Baseada no Género (ACLCVBG), em parceria com o Instituto Cabo-verdiano para a Igualdade e Equidade do Género (ICIEG) e a Associação Chã de Matias.

Nela participam profissionais de Saúde, Polícia, Educação, integrantes dos centros de apoio às vítimas de VBG, entre outros.

Considerando a importância desta capacitação, tendo em conta a complexidade da matéria, já que se fala de vários tipos de agressões, desde física, psicológica, patrimonial, entre outras situações, a presidente da Associação Chã de Matias, Arminda Lopes, defende maior celeridade na justiça a esse nível.

“Na área da Justiça, deveria haver pessoas especializadas para trabalharem nesta matéria, com maior dedicação, sensibilidade e celeridade. Ninguém quer viver sob pressão e ameaças. Todo o ser humano tem direito a paz, especialmente paz interior, física e social”, sublinhou a associativista.

Instada sobre o que pensa de intervenientes ligados ao atendimento e que caçoam das vítimas sobretudo quando homens, Arminda Lopes repudia esse tipo de comportamento, associando-o, todavia, à questão cultural e ao machismo da sociedade.

“Essa questão da VBG não é para promover ou proteger apenas as mulheres, mas as pessoas, homens e mulheres. Por isso a capacitação dos técnicos ligados à problemática deveria ser uma constante, contínua, sempre, e não de tempos em tempos”, exteriorizou.

“Não actuarmos apenas na questão do atendimento, mas na prevenção para que tenhamos uma sociedade mais saudável e podermos reduzir esta situação de violência baseada no género a nível do País”, frisou, reiterando, mais uma vez que esta acção de formação vai permitir ferramentas e conhecimentos para se poder actuar da melhor forma.

SC/HF

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos