Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Ilha do Sal: É inaceitável um país como Cabo Verde pessoas viver em situação muito abaixo do aceitável – autarca

Espargos, 08 Nov (Inforpress) – O presidente da Câmara Municipal do Sal, Júlio Lopes, considerou hoje que um país como Cabo Verde é “inaceitável” pessoas viverem ainda em situação muito abaixo do aceitável.

Júlio Lopes fez essas ponderações durante lançamento e apresentação oficial do Programa Participativo de Melhoria dos Assentamentos Informais (PSUP III), no âmbito do programa ONU-Habitat, que teve lugar hoje no Salão Nobre dos Paços do Concelho, na presença da coordenadora Janisse Silva, do arquitecto e do assessor do programada, Francisco Duarte e Evandro Holtz, respectivamente, entre outros representantes das forças vivas locais.

Segundo o autarca, o instrumento ora apresentado é um “grande input” para todo o processo de geração de receitas a jusante bem como uma questão de legalidade, já que a Constituição da República prevê o direito de uma habitação condigna às pessoas.

“É uma questão até de ética. É inaceitável que um país como Cabo Verde, ainda estarmos a ter, em algumas ilhas, nomeadamente Sal, situações de pessoas a viver, com um standard muito abaixo do aceitável”, exteriorizou, parabenizando a ONU-Habitat por, conforme disse, estar a ajudar o Governo de Cabo Verde nessa matéria.

“O Governo de Cabo Verde está a investir fortemente nisso. Só dizer que está a dedicar milhões de contos do Fundo do Ambiente, e do Fundo do Turismo, para questões das cidades. Habitat não é só as casas. São as casas e a envolvente”, referiu o autarca, destacando também a implementação do Programa de Reabilitação e Requalificação e Acessibilidade (PRRA).

“Nunca em Cabo Verde houve uma tomada de posição tão vincada para resolver os problemas de Habitat e envolvente, condição ‘sine quo non’ para dar mais qualidade de vida às pessoas”, lançou, considerando que um destino turístico, além das superestruturas turísticas, isto é, os hotéis e resorts, também as envolventes têm de estar requalificadas.

Júlio Lopes, acentuou, por outro lado, que os trabalhadores que trabalham, põe o seu suor e seu sangue, também têm que ter uma vida condigna.

“Por isso, aqueles que estão a dar o seu contributo para o turismo, os trabalhadores, devem ser remunerados pela via dessas políticas que o Governo está a implementar”, disse.

A coordenadora da ONU-Habitat, Janisse Silva, sublinhou, por sua vez, que ter cidade e comunidades resilientes passa por fazer com que os assentamentos humanos, de uma forma geral, e os assentamentos informais, em específico, sejam capazes de facilmente recuperar-se de choques e estresses urbanos, bem como de ameaças naturais e antropogénicas, isto é, que elas sejam mais resilientes.

“A tornar resilientes esses assentamentos, têm o efeito imediato no envolvimento económico das cidades”, explicou, felicitando a equipa da elaboração do perfil urbano dos Espargos, o qual, conforme disse, “serviu de exemplo”, a nível nacional, e fez eco a nível internacional, como um documento de referência.

SC/CP

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos