Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Ilha do Sal: Delegada garante novo ano lectivo com melhorias das infra-estruturas escolares e reforço de medidas sanitárias

Espargos, 08 Set (Inforpress) – A delegada da Educação, no Sal, Márcia Graça, garantiu hoje que o novo ano lectivo arranca com melhorias nas diferentes infra-estruturas escolares e reforço das medidas sanitárias contra a covid-19.

O ano escolar iniciou no dia 01 de Setembro, devendo as aulas do ano lectivo 2021/2022, arrancar, efectivamente, no dia 13, este ano sob o lema “resiliência e confiança para uma educação de qualidade”.

Segundo Márcia Graça, este ano estima-se para o primeiro ciclo 2.747 alunos distribuídos em 95 turmas, para quatro escolas do ensino básico a nível da ilha, contra 2.849 alunos do 2º ciclo, para 76 turmas, enquanto o ensino secundário deverá contar com 1.704 alunos, distribuídos em 47 turmas, e o pré-escolar rondando as 1.200 crianças.

A nível da ilha do Sal, o novo ano lectivo, ainda marcado pela pandemia da covid-19, conta com um total de pouco mais de 6.900 alunos para um universo de 300 professores, do ensino básico e secundário, sem falar das monitoras dos jardins.

Números que, entretanto, poderão alterar-se tendo em conta a mobilidade da ilha e alunos ainda por matricular.

Márcia Graça para quem o novo ano lectivo vai arrancar sem sobressaltos e com todos os professores, não obstante a transferência de mais de duas dezenas de docentes, cujos lugares já estão, todavia, preenchidos com a vinda de igual número de professores, também a nível físico as infra-estruturas tiveram melhoria e reforçadas as medidas de higiene e segurança.

“As medidas de segurança, distanciamento e higiene continuam a ser aplicadas na íntegra, e outra questão tem a ver com a vacinação de todos os profissionais da Educação, em que a maioria, na ilha do Sal, se encontra vacinada com a segunda dose”, observou.

Em relação às infra-estruturas escolares, especifica que as intervenções foram a nível da Escola da Pretória, Escola Nova, da Palmeira e da Escola Básica e Secundária Olavo Moniz, a nível das casas de banho e remodelação das cozinhas, resultante do projecto do Ministério da Educação juntamente com a Cooperação Luxemburguesa.

“Vamos ter melhores condições relativamente ao ano passado”, considerou, anunciando que a Escola da Pretória ganhou três casas de banho com um total de 17 sanitários, a Escola Nova três casas de banho com 27 sanitários e na Escola Secundária duas casas de banho e 25 sanitários, além dos pontos de lavagem de mãos e outras medidas de segurança sanitária.

Para este novo ano lectivo, as orientações do Ministério da Educação vão no sentido de um rácio de 30 alunos por turma, perante o desafio de carteiras individuais, respeitando o distanciamento, associado à ausência de intervalos, cujos cinco minutos de paragem, à semelhança do ano passado, se propõem à mudança de professores entre uma aula e outra.

Márcia Graça concluiu, sublinhando, que um dos maiores desafios para este ano lectivo 2021/2022 é fazer com que os espaços escolares continuem sendo espaços seguros.

“A saúde e o bem-estar é o valor ideal, consta das cinco prioridades do Ministério da Educação, a par do espírito de equipa, inclusão, valores cívicos, e a luta contra o abandono escolar”, referiu a delegada da Educação local, imbuída de melhores expectativas relativamente ao novo ano lectivo.

Neste particular, e contando com a colaboração dos pais e encarregados de educação, a directora do liceu Olavo Moniz, Luísa Graça complementou, que a máscara “é uma aliada” para fazer face à pandemia da covid-19, de modo a se poder voltar à normalidade, à vida normal.  

“A escola é um lugar seguro, temos o nosso plano de contingência. A escola não poderá fazer tudo, daí que contamos com a colaboração e sensibilização dos pais e encarregados de educação, e de toda a comunidade educativa”, insistiu.

Também a directora do Complexo Educativo de Santa Maria, Lucialina Alfama, seguindo a mesma linha de raciocínio, assegurou que os professores daquele estabelecimento de ensino estão todos vacinados, que a escola está preparada a todos os níveis para receber os alunos neste novo ano lectivo.

A responsável manifestou, entretanto, preocupação pela não matrícula, ainda, de cerca de 20 meninos do primeiro ano, pelo que apela aos pais a que cumpram este procedimento para que os alunos não fiquem fora do processo educativo.

SC/HF

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos