Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Ilha do Sal: Defesa dos indivíduos “libertados” pelo STJ vai dar entrada com processo contra o Estado

Cidade da Praia, 15 Mar (Inforpress) – A defesa dos nove indivíduos cujo Supremo Tribunal de Justiça (STJ) anulou a medida de coação prisão preventiva, decretada em primeira instância, vai dar entrada com um processo de pedido de indemnização contra o Estado de Cabo Verde.

Esta informação foi avançada à Inforpress pelo advogado destas nove pessoas, que foram presas sob acusação de ofensa à integridade física e desobediência, resistência e injúria aos agentes de autoridade, Diamantino Martins.

“Os meus constituintes todos são pessoas de bem e sem antecedentes criminais. Nunca chegaram sequer perto da esquadra policial”, afirmou o causídico afirmando que as pessoas que defende ficaram prejudicadas nos seus trabalhos e estudos pela medida de coação, prisão preventiva, decretada pelo Tribunal da Comarca do Sal.

Além deste processo contra o Estado de Cabo Verde, disse a mesma fonte, o grupo já deu entrada com uma queixa-crime na Procuradoria do Sal contra três agentes da Polícia Nacional, além de uma participação junto da Direcção Nacional da Polícia Nacional.

Recorde-se que a Polícia Nacional do Sal apresentou em Fevereiro passado ao Tribunal da Comarca da ilha do Sal, 15 indivíduos, dos quais nove ficaram em prisão preventiva e seis sob termo de identidade e residência (TIR).

É o resultado de uma confusão ocorrida no dia 20 de Fevereiro, na cidade de Santa Maria, quando a Polícia Nacional deteve dois indivíduos, acusados por ofensa à integridade física do árbitro de um jogo de futebol e desobediência, resistência e injúria aos agentes de autoridade.

Segundo avançou o online Santiago Magazine, do tumulto verificado no campo, testemunhas oculares afirmaram que “os agentes terão levado para esquadra pessoas culpadas e inocentes também”.

“Esta eventual má avaliação dos agentes de autoridade provocou descontentamento no seio dos populares, que decidiram atacar a esquadra da PN com pedras e garrafas, resultando em avultados danos materiais”, informou a mesma fonte.

Por seu turno, a Polícia Nacional emitiu um comunicado no qual informou que “pessoas obstruíram estradas e arremessaram pedras e garrafas contra os agentes de serviço, o edifício da Esquadra Policial, os meios veículos da PN e do Serviço de Protecção Civil ali estacionados, tendo causado avultados danos nos mesmos”.

Durante o primeiro interrogatório dos arguidos, a seis ficaram sob TIR e nove conheceram medidas mais gravosas, ou seja, prisão preventiva, que foi depois transformada em TIR pelo Supremo Tribunal de Justiça.

GSF/CP

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos