Ilha do Sal: Décima edição SalEncena conta com casa cheia (c/áudio)

Santa Maria, 17 Jun. (Inforpress) – A 10ª edição do Festival Nacional de Teatro, em Cabo Verde, denominado SalEncena, arrancou esta quinta-feira, no Centro Cultural de Santa Maria, com casa cheia, cuja abertura foi testemunhada pelo ministro da Cultura, Abraão Vicente.

O espetáculo começou com uma sessão de poesia, ostentada pela Associação Cultural e Teatral Dja d’Sal, anfitriã da festa do teatro, baseada nos poemas de Jorge Barbosa, em homenagem ao poeta e escritor, que viveu a maior parte da sua vida no arquipélago de Cabo Verde, tendo, entretanto, residido vários anos na ilha do Sal.

Seguiu-se depois, o grupo “Companhia soma cambá e Arteatro” com a peça “Mala k’tud”, provocando estrondosas gargalhadas no público amante das artes cénicas.

Referindo na sua comunicação de ocasião que as temáticas hoje abordadas são as mesmas do passado, o ministro da Cultura Abraão Vicente, preferiu, desta forma, falar em crioulo que, conforme advogou, sublinha a importância de Cabo Verde ser hoje um País independente e o crioulo património imaterial.

“E espero, um dia, consenso da sociedade no sentido de colocá-la no patamar da língua portuguesa, também outra língua nossa. Continuarei a sonhar que o crioulo, de facto, estará em igualdade de circunstâncias com o português, uma das duas línguas oficiais de Cabo Verde”, almejou o governante, titular da pasta da Cultura.

O ministro, para quem é um privilégio vir participar, anualmente, no Festival SalEncena, já que sempre um momento de homenagear a cultura cabo-verdiana, conforme salientou, parabenizou a organização pelos dez anos da criação e realização do festival de teatro, que este ano vê duplicado o montante atribuído pelo Ministério da Cultura, de 250 mil para 500 mil escudos.

Abraão Vicente terminou pedindo uma salva de palmas a Antero Simas, autor, compositor e intérprete cabo-verdiano, falecido esta quinta-feira, nos Estados Unidos da América, vítima de doença prolongada.

Por sua vez, a vereadora da Cultura, Maria João Brito, realçando o “empenho e dedicação” da câmara municipal na promoção da cultura, juntamente com o Governo, disse que é “sempre bom ter coisas diferentes para vivenciar e deleitar-se”, caso, por exemplo, do festival de teatro.

“E cada ano vamos acreditando, mais ainda, no potencial dos nossos actores de teatro, também uma forma de fazer cultura. No ano passado gostei muito, e este ano a expectativa é ver as inovações que vão acontecendo, enriquecendo, assim, a cultura na ilha do Sal”, manifestou.

SalEncena homenageia este ano, Buxico e Jean Carlo, duas figuras que têm contribuído muito para o progresso da cultura na ilha, especialmente o teatro.

O elenco de 35 actores, compõe sete grupos presentes nesta X edição do Festival do Sal EnCena, nomeadamente vindos de São Vicente, São Nicolau, Boa Vista, Cidade da Praia, prometendo muitas gargalhadas.

A festa do teatro desdobra-se ainda noutros palcos, nomeadamente, na Kaza d’Art, no Anfi Teatro José Cabral, além do Centro Cultural de Santa Maria.

O evento que conta com a parceria da Câmara Municipal do Sal, do Ministério da Cultura e das indústrias Criativas, e da Empresa da Segurança Aérea (ASA), tem também previsto oficinas de teatro, entre momentos de contar histórias, denominado Dja d´Sal Histórias, nas escolas e jardins infantis da Palmeira, Espargos e Santa Maria.

SC/ZS

Inforpress/Fim

Facebook
Twitter
  • Galeria de Fotos