Search
Generic filters
Filter by Categories
Ambiente
Cooperação
Cultura
Economia
Internacional
Desporto
Politica
Sociedade

Ilha do Sal: Coordenadora do ICCA defende punição severa para os crimes de violação sexual a menores

 

Espargos, 22 Jun. (Inforpress) – A coordenadora do ICCA no Sal defendeu, hoje, punição severa para os crimes de violação sexual a menores, durante apresentação do estudo diagnóstico sobre o “Perfil dos condenados por crimes sexuais contra menores: Conhecer para melhor Intervir”.

“Este é um crime na qual a luta pela punição deve ser célere e severa. Que o combate pela sua erradicação seja constante contando com a união e participação de todos”, defendeu Queila Soares.

Segundo a responsável, a violação, o abuso sexual contra menores, continua a ser uma problemática que vem merecendo extrema atenção dos agentes de intervenção da área, não pelo facto de existir “mais casos” em relação a outros tipos de violação dos direitos da criança, mas por ser uma das piores formas de violação dos direitos da criança.

“Levam uma criança a vivenciar experiências de forma forçada, desconhecidas, estranhas, dolorosas e traumáticas quando aproveitam da sua vulnerabilidade e imaturidade para obter prazer sexual”, censurou.

Queila Soares faz fé que as informações constantes do estudo venham trazer luzes com vista a prevenir e combater a situação de abuso sexual contra menores no país.

“Acredito que as informações aqui partilhadas vão nos permitir maior bagagem para realmente conhecer e poder prevenir e proteger as nossas crianças. O ICCA tem sido e continua sendo uma instituição fundamental na busca de recursos e parceiros para o combate ao abuso sexual contra menores”, sublinhou.

Por sua vez, a presidente da Comissão Nacional para os Direitos Humanos e a Cidadania (CNDHC), Zaida de Freitas, espera que a “relevância” deste estudo sobre o “Perfil dos condenados por crimes sexuais contra menores: Conhecer para melhor Intervir” abra novos caminhos para a criação de políticas públicas voltadas para o atendimento e tratamento do autor de crimes sexuais, evitando assim reincidências.

“Cabo Verde, provavelmente, pela sua envolvência, pelas suas características culturais e pelos graves problemas sociais e económicos, presentes nas várias localidades tem apresentado um número significativo de casos relacionados com esta problemática”, anotou, apelando a um forte engajamento na luta pelos direitos humanos das crianças em Cabo Verde para que o país seja cada vez mais livre de violação de direitos humanos.

Em representação da câmara, Tatiana Soares, directora da Promoção Social, destacou a importância do estudo, já que o primeiro realizado a nível nacional com “esta relevância”.

A apresentação do estudo socializado esta manhã, numa das salas do IEFP resultou de um convite da Delegação do ICCA no Sal, à Comissão Nacional para os Direitos Humanos e a Cidadania (CNDHC), em parceria também com a autarquia local.

SC/ZS

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos