Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Ilha do Sal: Colombiano procurado pela Interpol transferido para cadeia de Ribeirinha em São Vicente

Espargos, 16 Jun (Inforpress) – O colombiano procurado pela Interpol e que aguardava processo de extradição na cadeia de Terra Boa, no Sal, foi transferido hoje para a cadeia de Ribeirinha, em São Vicente, onde deverá ser ouvido pelo Tribunal da Relação de Barlavento,

O cidadão de 48 anos, de dupla nacionalidade, colombiana e venezuelana, foi detido sexta-feira, no Sal, pela Polícia Judiciária, na sequência de um “alerta vermelha” da Interpol, e estava a aguardar processo de extradição na cadeia de Terra Boa, apurou a Inforpress.

Alex Saab Moran foi transferido hoje para São Vicente, já que este tipo de casos, que envolve extradição, deverá ser tratado pelo Tribunal de Relações, um tribunal superior, soube a Inforpress.

Alex Saab Moran deverá ser ouvido pelos juízes deste tribunal na manhã desta quarta-feira.

O cidadão colombiano vem sendo procurado há algum tempo pela Interpol (Polícia Internacional), por crimes de branqueamento de capitais, tráfico de droga, entre outras infracções, cometidas nos Estados Unidos da América (USA).

De nacionalidade venezuelana e colombiana, foi surpreendido no Aeroporto Internacional Amílcar Cabral (AIAC), pela Polícia Judiciária (PJ) local, a bordo do avião privado, que escalou a ilha do Sal às 23:00 de sexta-feira, para abastecimento de combustível.

Perante o episódio, a Inforpress apurou junto da polícia científica que o alerta de detenção a pedido dos Estados Unidos, à Interpol, organismo em que Cabo Verde também é membro, obrigou a acção das autoridades policiais cabo-verdianas nessa “caça ao homem”.

Alex Moran que também foi apresentado às instâncias superiores no Sal, aguarda um pedido formal de validação da detenção e extradição, por parte das autoridades judiciárias americanas, conforme soube a Inforpress junto da PJ.

Entretanto, a mesma fonte explicou que se no espaço de 18 dias isso não acontecer, este indivíduo poderá ser solto, de acordo com convenção de cooperação judiciária entre os Estados membros.

Com a formalização da detenção, seguir-se-á com o processo de extradição, um procedimento, entretanto, “complexo e moroso”.

Com a conclusão do processo de extradição, Alex Saab Moran será liberado para os Estados Unidos, onde deverá ser julgado pelos crimes que cometeu, segundo a lei daquele país, porém com a garantia às autoridades cabo-verdianas competentes de que não lhe será aplicado a pena de morte nem prisão perpétua.

SC/JMV

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos