Ilha do Sal: Bancada do MpD reclama construção de oito moradias sociais na Palmeira conforme promessa da autarquia

Espargos, 27 Fev. (Inforpress) – A bancada do Movimento para a Democracia (MpD – situação), no Sal, reclamou hoje, durante os trabalhos da XII sessão ordinária da Assembleia Municipal, a construção de oito moradias sociais na localidade da Palmeira, conforme promessa da autarquia.

Esta reclamação foi expressa pelo deputado Manuel Santos, lembrando que os eleitos municipais foram escolhidos pela população desta ilha, daí a responsabilidade, sublinhou, de fazer os munícipes “ficarem satisfeitos, mais confiantes e orgulhosos” dos seus representantes, porta-voz, dos seus problemas.

Parabenizando, ao mesmo tempo, o “empenho” da equipa camarária, e as “muitas obras em curso em toda a ilha”, Manuel Santos disse, entretanto, que o prometido é devido, lembrando à câmara o prometimento da construção dessas oito moradias sociais naquela vila piscatória.

“Foi prometida a construção de oito moradias na Palmeira, mas até esta foi construída apenas uma casa, pelo que a população desta vila agradecia muito se as outras sete fossem construídas ainda neste mandato”, manifestou, em jeito de recado.

Outra questão que inquieta, também, os eleitos desta bancada tem a ver com a questão do cadastro predial, pedindo, neste particular, a resolução do problema, junto do governo, porque, conforme disse, está a bloquear a venda de lotes e atraso na construção.

“Pois, a não possibilidade de atribuição do número de identificação predial a vários lotes de terreno está a bloquear a venda dos mesmos, atrasando a construção de casas, e, consequentemente, a decisão do financiamento pelos bancos. Exortamos a câmara para apelar ao Governo no sentido de intervir com urgência nesse assunto”, exteriorizou.

“A nossa bancada está confiante e orgulhosa com o empenho desta câmara. Que continuemos de mãos dadas para podermos chegar no final deste mandato com sentido de dever cumprido”, concluiu.

Por sua vez, considerando a “evidência” do desenvolvimento do Sal, o líder da bancada, Nuno Lopes, vai mais longe, referindo-se, entretanto, que a nível habitacional, chegou-se a “esta situação degradante”, porque, sustenta, os governos anteriores não precaveram a situação.

“Por isso, nós temos, neste momento, bairros de lata, pessoas a viverem em situações deploráveis, resultante das políticas da governação anterior que falharam. Esse problema vem de há muitos anos e só agora está a ser trabalhada”, considerou.

Considerações que provocaram a reacção da bancada do PAICV (oposição), na voz da deputada Kátia Carvalho, questionando, em tom de ironia, se o colega conhece ou está a par do processo e construções do programa “Casa para Todos”, programa de reabilitação, entre outros dossiês.

SC/JMV

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos