Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Ilha do Sal: Autarquia socializa instrumento de gestão territorial para expansão da zona norte dos Espargos

Espargos, 31 Mar. (Inforpress) – A Câmara Municipal do Sal promoveu hoje um encontro de socialização dos instrumentos de gestão territorial, designadamente o plano detalhado de expansão da zona norte da cidade dos Espargos, visando recolher subsídios e contribuições para a sua melhoria.

A expansão da zona norte da cidade dos Espargos tem como objectivo, de acordo com a edilidade, desenvolver e concretizar o Plano Director Municipal (PDM), as estratégias de desenvolvimento do ordenamento do território e das políticas urbanas, bem como salvaguardar o desenvolvimento socioeconómico e demográfico da ilha de uma forma “planificada e sustentável”.

Os planos municipais que se encontram ainda na fase de elaboração circundam a zona norte de Chã de Matias, Alto Solarino, Ribeira de Feijoal, Poço Verde, estendendo-se a Terra Boa onde se pretende transformar a área numa região periurbana, isto é, habitacional e agrícola.

Estribado no actual déficit habitacional de 1600 casas e no aumento da população num horizonte de dez anos, até 2030, em cerca de 50 mil habitantes, o presidente da câmara municipal, Júlio Lopes, prognostica, até lá, a necessidade de construção de mais duas mil habitações para fazer face à problemática.

“A ilha do Sal tem um grande desafio nos próximos tempos que é a construção de mais duas mil habitações nos próximos dez anos. Temos mais de 700 famílias a viverem, ainda, em barracas sem água, luz e sem esgoto. Isso é inaceitável do ponto de vista ético”, enfatizou.

Lembrando o programa de apoio à autoconstrução, venda de terrenos em curso, em diferentes localidades, mais 700 casas em construção na zona de Alto Santa Cruz, o autarca acredita, com isso, ter solucionado pelo menos “em termos teóricos” o problema do déficit habitacional, actual.

“Mas temos o problema do futuro… isso significa que na ilha do Sal temos que construir ainda mais duas mil casas nos próximos dez anos”, reiterou, sublinhando que o Estado de Cabo Verde e a câmara municipal “têm a obrigação” de criar todas as condições para que cada família possa ter a sua habitação, também construir a sua própria casa.

É neste contexto, explicou o autarca, que se apresentou hoje o plano detalhado de expansão dos Espargos que vai permitir a transformação destas regiões, onde, conforme assegurou, vão nascer escolas, campo de futebol, espaços verdes, centros de saúde, entre outras infra-estruturas e equipamentos sociais.

“Se planificarmos hoje, em 2030 estaremos em boas situações. Foi o que faltou ao Sal em anos anteriores. Não houve planificação e o resultado foi o surgimento de centenas de casas de lata e de pessoas a viverem em condições pouco dignas”, analisou, auspiciando que esta situação “vai acabar” na ilha do Sal.

O plano de expansão da zona norte da cidade dos Espargos, apresentado pelos arquitectos urbanistas Hélio Pinto e Victor Cardoso, do Gabinete Técnico da Câmara Municipal do Sal, conta com o apoio do Governo, através do Ministério das Infra-estruturas, Habitação e Ordenamento do Território e da ONU Habitat.

SC/JMV

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos