Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Ilha do Fogo: Equipa de Gesplan identifica local por onde passará rede viária interna em Chã das Caldeiras

São Filipe, 03 Ago (Inforpress) – Uma equipa técnica da empresa Gesplan, responsável pela elaboração do Plano Detalhado de Chã das Caldeiras, está a proceder a identificação de local onde passará a rede viária no interior dos povoados para a sua implementação futura.

A informação foi dada à Inforpress pelo edil de Santa Catarina do Fogo, Alberto Nunes, que quinta-feira participou no encontro mensal para fazer o balanço da implementação do plano, juntamente com a ministra das Infraestruturas, representante da Gesplan, empresa das ilhas Canárias responsável pela elaboração do Plano Detalhado de Chã das Caldeiras (PDCC), e o Gabinete Técnico do M_EIA, que dá assistência técnica no domínio de arquitectura e tecnologias de construção sustentável à população.

Segundo o autarca, o Governo assumiu o compromisso para mensalmente encontrar-se com a equipa que está no terreno e todos os parceiros envolvidos no âmbito da implementação do PDCC, incluindo a própria população.

Adiantou que, neste momento, a equipa de Gesplan está a identificar o local onde passará a rede viária em Chã das Caldeiras para a sua implantação e as redes técnicas, acompanhada pelos técnicos do Gabinete Técnico de M_EIA.

Além do traçado da estrada nacional, explicou Alberto Nunes, a equipa está a identificar as redes de ligações no interior dos povoados para evitar que as pessoas construam nos pontos identificados para a rede viária, uma vez que o PDCC vai ser cumprido na íntegra.

O autarca notou que, além dos técnicos do Gabinete Técnico do M_EIA, o director do Gabinete Técnico Municipal vai integrar a equipa para acompanhamento da execução do plano.

A questão das redes de água e de outras redes técnicas, segundo Alberto Nunes, está a ser equacionada, e no caso concreto de abastecimento de água, indicou que os chafarizes construídos são provisórios porque, numa segunda fase, o abastecimento será através de ligações domiciliárias, implicando assim a construção de rede de água.

Durante o encontro de quinta-feira, explicou o edil de Santa Catarina, fez-se o balanço de como está a decorrer as actividades e serviu para analisar como implantar as infra-estruturas prioritárias que serão construídas em cima de lavas da erupção de 2014.

Neste particular, disse que foi analisado como trabalhar nas construções, se é viável optar pela compactação das lavas ou pela sua escavação, observando que optou-se pela compactação das lavas para a construção das infra-estruturas sociais que devem iniciar nos próximos dias.

A primeira infra-estrutura social a ser erguida, será o jardim-de-infância, tendo a edilidade na sua posse o projecto e o financiamento para a sua construção.

Neste momento, conforme o edil santa-catarinense, a câmara tem disponível quatro mil contos, que serão suficientes já que o valor provisional do orçamento, que pode aumentar ou diminuir, tendo em conta que na construção será utilizado materiais locais, é de pouco mais de 3.500 contos.

O jardim-de-infância, segundo Alberto Nunes, faz parte integrante do complexo educativo para esta localidade, e vai-se avançar, nesta primeira fase com a sua construção para que possa funcionar no início do próximo ano lectivo (Outubro) e depois avançar com a construção do posto de saúde e a parte restante do complexo com a construção das salas de aula que constituem as prioridades em termos de infra-estruturas sociais.

Com relação a construção das 52 novas casas em Bangaeira para as famílias por alojar, o edil indicou que serão construídas assim que estiverem reunidas todas as condições.

“Depois das infra-estruturas sociais prioritárias, vai-se construir as casas para as famílias que ainda continuam alojadas em casas arrendadas”, afirmou o edil de Santa Catarina, observando que o Governo continua a pagar renda a um grupo de famílias de Chã das Caldeiras alojadas em casas arrendadas, cujo valor mensal ultrapassa os 300 contos, dai a necessidade de ultrapassar a situação.

JR

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos