IGAE já confiscou até agora cerca de 200 mil litros de aguardente ilegal em todo o país – inspector

Cidade da Praia, 15 Out (Inforpress) – O inspector-geral das Actividades Económicas (IGAE), Elisângelo Monteiro disse hoje que já confiscaram cerca de 200 mil litros de aguardente ilegal em todo o país, reconhecendo, porém, que de um modo geral a maioria dos produtores está a respeitar os padrões do processo de produção.

Elisângelo Monteiro, que falava em declarações à Inforpress a propósito do primeiro aniversário da entrada em vigor da nova lei sobre o álcool em Cabo Verde (05 de Outubro de 2019), confirma que os produtores estão a respeitar as normas da produção da aguardente, ressalvando, contudo, que pelo meio vão surgindo sempre alguns produtores que “não cumprem” com as normas da produção, daí arcando com as consequências.

“Constata-se práticas de vendas de bebidas alcoólicas em residências e muitas delas já foram identificadas em parceria com outras forças da ordem, mas isso vai sendo desmantelado com o combate a produção e venda ilegal”, disse, sublinhando que já conhecem o tipo de bebida que é vendida nessas residências, daí o seu “combate severo” à luz da lei, porquanto, são produtos que não devem ser produzidos e, por isso, essa prática constitui fraude.

De acordo com o inspector o consumidor deve estar atento e saber sobre a qualidade daquilo que consome, pelo que, não tendo a garantia da segurança sanitária das bebidas alcoólicas e não só, aconselha a não consumir os mesmos em “momento algum”.

“O consumidor tem um papel de rejeição muito importante e é preciso realçar esses aspectos para que possam fazer o seu exercício de consumo de uma forma racional, e, fazendo isso, significa que por iniciativa própria ele está também a combater a produção ilegal e a redução da sua oferta e, consequentemente, promovendo a saúde publica”, explicou.

Conforme avançou Elisângelo Monteiro, a (IGAE) precisa de mais efectivos para poder ter mais forças no terreno, embora reconheça que o mais importante é a “consciência da população”, que agir deste modo estará fazendo a sua “autodefesa”.

O alcoolismo em Cabo Verde é tido como um problema social e de saúde pública e que interfere negativamente em vários aspectos da vida do indivíduo e da comunidade na qual está inserido.

O Primeiro Inquérito Nacional sobre o Consumo de Substâncias Psicoactivas no Ensino Secundária (PINCSPES), não obstante a lei em vigor proíba a venda de bebidas alcoólicas a menores de 18 anos, demonstrou que 45,4% de estudantes entre 12 e 18 anos já ingeriram álcool, pelo menos uma vez na vida.

O estudo revelou que o início do consumo do álcool no país se dá em idades precoces, levando a uma maior probabilidade de ocorrência de dependência alcoólica e, deste modo, com consequências directas a nível do sistema nervoso central, com défices cognitivos e de memória, limitações a nível de aprendizagem e, bem assim, ao nível do desempenho profissional.

DM/FP

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos