ICIEG e INE unem esforços para a actualização de dados estatística sobre “uso do tempo e trabalho não remunerado”

Cidade da Praia, 23 Nov (Inforpress) – O Instituto Cabo-verdiano para a Igualdade e Equidade de Género (ICIEG) e o Instituto Nacional de Estatística (INE) rubricaram hoje um memorando de entendimento visando a actualização dos dados estatísticos sobre “uso do tempo e trabalho não remunerado”.

Segundo adiantou a presidente do ICIEG, Marisa Carvalho, o estudo acontece no âmbito do projecto “promover a participação das mulheres nos processos democráticos”, desenvolvido em parceria com a Agência Espanhola de Cooperação Internacional para o Desenvolvimento (AECID).

Afirmou que este inquérito é essencial para a elaboração das políticas públicas nacionais e que já era necessária a sua actualização sendo que o último estudo foi realizado em 2012.

Marisa Carvalho lembrou que o estudo contribuiu para a elaboração do plano nacional de cuidados onde se estabeleceu toda a carga de trabalho não remunerado que efectivamente as mulheres têm no seu dia a dia para além de todo trabalho formal.

“Passados 10 anos, é altura de fazermos a sua actualização, não só, para fazermos a evolução do sistema nacional de cuidados, mas também para avaliarmos se realmente tem havido uma co-responsabilização entre os casais ou elementos da família e estruturar futuras políticas de assistência aos mais vulneráveis e a população cabo-verdiana no geral”, apontou.

Em relação aos cuidados, avançou que tem havido algumas dificuldades principalmente para as mulheres acederem ao mercado de trabalho e ao sistema de ensino ao nível universitário, mas sublinhou que a ideia é aumentar a cobertura do sistema de cuidados a nível nacional para que seja possível garantir a permanência e a entrada no mercado de trabalho das mulheres e dos seus familiares.

“Nós temos trabalhado com os nossos parceiros: a direcção-geral de Inclusão Social, o Ministério da Educação para dotar o País de estruturas que sejam capazes de dar essas respostas”, referiu a presidente.

Por outro lado, acrescentou que durante as formações ministradas pelo ICIEG, em parceria com a cooperação espanhola, são criadas todas as condições para integrar os cuidados.

A ideia, segundo a presidente, é alargar este sistema de cuidados a nível nacional, sendo certo que nos sítios urbanos há uma cobertura satisfatória, mas nas zonas rurais há ainda alguma debilidade neste sentido.

Entretanto disse que neste momento existem cerca de 600 cuidadores formandos a nível nacional e de várias áreas, mas o estudo vai permitir ainda analisar e avaliar o número de pessoas que estão cobertas pelo sistema nacional de cuidados.

Por seu turno, o vice-presidente do INE, Fernando Rocha, garantiu que no primeiro trimestre do próximo ano serão divulgados todos os dados do Inquérito Multiobjectivo Contínuo que permitirão que o País disponha de dados sobre uso do tempo e trabalho não remunerado, sobre mercado de trabalho, emprego, subemprego, desemprego, educação e formação profissional, tecnologia de informação e comunicação, indicadores esses, que no seu entender, precisam de ser actualizados.

Por outro lado, adiantou que o inquérito contempla ainda um novo módulo que vai fazer a análise de novas formas de trabalho, que é muito importante porque irá permitir ao País ter estatística que poderá ser comparada a nível internacional.

O Inquérito Multiobjectivo Contínuo está orçado em 16 mil contos e o ICIEG entra com cerca de 1.500 contos.

AV/HF

Inforpress/Fim

Facebook
Twitter
  • Galeria de Fotos