Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

ICIEG defende que é urgente definir uma agenda comum para CPLP para debelar casos de VBG e feminicídio (c/áudio)

Cidade da Praia, 04 Nov (Inforpress) – A presidente do Instituto Cabo-verdiano para Igualdade e Equidade do Género (ICIEG) defendeu hoje que é urgente definir uma estratégica comum para a Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) no sentido de porem cobro aos casos de feminicídios.

Rosana Almeida fez esta apreciação à imprensa, à margem da VI Reunião de Pontos Focais para a Igualdade da CPLP, que acontece durante dois dias na cidade da Praia e que antecede a VI Reunião de Ministros e Responsáveis pela Igualdade de Género da CPLP, previsto para o dia 06.

Durante este encontro dos pontos focais, presidido pela ICIEG, os países que compõem a CPLP vão analisar a problemática da violência baseada no género (VBG) na CPLP e o feminicídio.

Segundo a presidente do ICIEG, o feminicídio continua a ser um fenómeno que preocupa a todos a nível mundial e os países da CPLP também não fogem à regra porque têm registado vários casos de feminicídio.

“É urgente uma estratégica comum ou agenda comum no sentido de pormos foco a estes fenómenos que continuam na ordem do dia e que é a forma extrema da violência que queremos evitar”, defendeu.

Da agenda de trabalho consta o balanço e a apreciação da execução do Plano de Trabalho de 2017-2020 de cada país, apresentação das actividades da presidente pro-tempore, na temática igualdade de género e empoderamento da mulher, para o biénio 2019-2020 por Cabo Verde, e discussão de novas propostas de actividades de cooperação.

Cabo Verde, segundo Rosana Almeida, irá apresentar algumas propostas que querem que a comunidade abrace, como é o caso de programa televisivo, concurso de contos para a igualdade de género e novas medidas de taxas aduaneiras.

“Em relação às taxas aduaneiras houve uma medida no sentido de diminuir a isenção dessas taxas a produtos como fraldas, pensos higiénicos, repelentes para o vírus Zica, são algumas propostas aliciantes que trazemos para aqui e apresentar a todas as comunidades da CPLP no sentido de combatermos sem tréguas fenómenos como VBG e o feminícido”, salientou.

Por sua vez, a presidente do Instituto da Mulher e Criança da Guiné-Bissau, Mainuna Sila, disse apesar de não terem dados estatísticos sobre VBG, infelizmente, é notório e é de conhecimento geral que as questões da VBG e do feminicídio estão cada vez mais patentes neste país.

Apesar da instabilidade política, fez saber que a Guiné-Bissau tem levado a cabo algumas medidas que estão a contribuir para a melhoria da situação e que o próprio instituto criou um clube dos homens, com 150 membros, que tem sensibilizado a comunidade sobre essa problemática.

Entretanto, assegurou que o seu país deve apostar ainda mais em campanhas de sensibilização junto das mulheres, porque muitas não estão munidas de informações.

“Imediatamente devemos colocar esses meios de informação à disposição da mulher guineense para que ela saiba que o companheiro não a pode agredir quer verbalmente, quer fisicamente e caso isso aconteça que ela possa saber onde deve recorrer”, frisou.

Em Timor-Leste, a situação também é “preocupante”, segundo o ponto focal Maria José Sanches, por isso acredita que faz todo o sentido debater esta questão, promover a igualdade e combater a VBG e a violência doméstica.

Fez saber que em 2010 foi aprovada a lei contra violência doméstica e no âmbito desta lei foi criado um plano de acção nacional para violência baseada no género e violência doméstica.

“Com base neste plano a secretária de Estado para Igualdade de Género trabalha em parceria com as organizações nacionais e internacionais, as organizações de mulheres para disseminar, socializar, dar formações a nível das escolas, da polícia nacional e a comunidade em geral”, apontou.

A VI Reunião de Ministros e Responsáveis pela Igualdade de Género da CPLP, acontece no dia 06, e contará com a presença dos ministros e responsáveis pela igualdade de género de todos os Estados-membros da organização e será presidida pela ministra da Família e Inclusão Social, Maritza Rosabal.

Durante esta reunião será feita a apresentação e discussão do relatório da presidência cessante da reunião de ministros e responsáveis pela igualdade de género e na ocasião o Brasil irá passar oficialmente a presidência da reunião para Cabo Verde.

AM/ZS

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos