Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Hospital da Trindade: Director considera “lamentável” o posicionamento dos moradores do condomínio Finasson 

Cidade da Praia, 30 Dez (Inforpress) – O director do Serviço Extensão do Hospital da Trindade classificou hoje de “lamentável” o posicionamento dos moradores do condomínio Finasson, situado na Terra Branca, na sequência do alojamento provisório dos doentes mentais no rés-do-chão do mesmo edifício.

Na terça-feira, 29, um grupo de moradores do condomínio Finasson concentrou-se em frente à Imobiliária, Fundiária e Habitat, S.A. (IFH) para manifestar “indignação” com a transferência temporária dos doentes mentais para o condomínio onde residem.

Hoje, director do Serviço Extensão do Hospital da Trindade, João Miguel Vaz, que falava em conferência de imprensa para esclarecimento da possível transferência, lamentou o sucedido e prometeu que o Ministério da Saúde vai continuar a procurar outro espaço para alojar a enfermaria de psiquiatria.

O responsável considerou a actuação desses moradores de “lastimável” e que os mesmos desperdiçaram uma boa oportunidade de apreenderem a lidar com a diferença, de instruírem os seus filhos a se tornarem melhores cidadãos, tolerantes e solidários, e de se tornarem amigos e promotores da saúde mental.

O director assegurou que todas as condições foram criadas e as medidas de segurança foram devidamente acauteladas com as adaptações necessárias, e garantiu que o uso desse espaço não representaria problemas de segurança nem constrangimentos aos residentes daquele condomínio.

Adiantou que do encontro que decorreu na tarde da última terça-feira, na qual participaram as partes interessadas, não houve entendimento, tendo a comissão dos moradores manifestado contra essa transferência.

“É nosso desejo que as pessoas em casa saibam que os doentes mentais são pessoas como todas as outras. Tornando-nos mais atentos as doenças mentais podemos contribuir para criar as merecidas oportunidades a estas pessoas, permitindo-lhes levar uma vida normal e um regresso a comunidade como membros produtivos auto confiantes e capazes de desenvolverem todo o seu potencial”, referiu.

No seu entender, o estigma associado à doença mental, assim como os comportamentos discriminatórios que dele advém, constituem “importantes obstáculos” às oportunidades dos doentes mentais e até aos avanços nos tratamentos psiquiátricos.

Para finalizar, defendeu que a população precisa de mais informação e ser sensibilizada sobre a doença mental e dos tratamentos disponíveis.

De acordo com o Ministério da Saúde, as obras de remodelação da Extensão da Trindade (unidade psiquiátrica do Hospital Agostinho Neto), construída na década de 80, está orçado em 112 mil contos.

AV/AA

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos