Hospital Agostinho Neto clama por remodelação de algumas especialidades da maior unidade de saúde de Cabo Verde

Cidade da Praia, 06 Jun. (Inforpress) – A administração do Hospital Dr. Neto alertou hoje para a necessidade da remodelação dos serviços do Banco de Urgência, dos Cuidados Intensivos e dos aparelhos do Bloco Operatório e do perigo do uso abusivo do álcool em tempo da pandemia.

Estas preocupações foram levantadas esta manhã pelo membro do conselho de administração e director-clínico do maior hospital central do País, na sequência da visita efectuada pelo Grupo parlamentar do Movimento para Democracia, (MpD, poder), para se inteirar dos reais problemas e propostas de soluções junto dos principais parceiros.

Victor Costa justificou estas preocupações com a necessidade de se remodelar os serviços do Banco de urgência, dos Cuidados Intensivos e sobretudo dos aparelhos operatórios, pelo facto destes se encontrarem no limite das suas capacidades, de forma a garantir a segurança das cirurgias.

Manifestou, por outro lado, a sua preocupação, pelo facto deste hospital central ter vindo debater-se, em plena pandemia do coronavírus da covid-19, com problemáticas relacionadas com agressões, resultantes de facadas, armas de fogo, em consequência do uso abusivo do álcool, sobretudo junto dos jovens.

O médico cirurgião apelou a uma maior consciencialização das pessoas, assim como a assunção de responsabilidade, alegando que o hospital, que compota mais de 840 funcionários, tem vindo a redobrar os esforços no sentido de superar todos os desafios encontrados durante esta pandemia, quando se vê confrontado com estes incidentes.

Assegurou, por outro lado, que o Hospital Agostinho Neto preparou-se atempadamente para dar respostas à pandemia do novo coronavírus da covid-19, sublinhando que não obstante as limitações, esta unidade hospitalar estava preparada para dar respostas, muito antes da detecção dos primeiros casos registado no País.

A este propósito, explicou que o Hospital Dr. Agostinho Neto já tinha adquirido equipamentos de protecção individual como máscaras, luvas, desinfectantes, com stock disponível para seis meses, e a constituição de cinco grupos na enfermaria da covid-19, sem que ninguém tivesse sido infectado.

Em relação ao Hospital Psiquiátrico da Trindade, extensão do hospital central, disse que dos 45 infectados, de entre doentes e funcionários, restam apenas sete doentes internados à espera de alta “nos próximos dias”, já que todos os restantes já são dados como restaurados.

SR/JMV

Inforpress/Fim

Facebook
Twitter
  • Galeria de Fotos