Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Historiador Esmat Elhalaby vence primeira edição do Prémio Amílcar Cabral

Lisboa, 22 Dez (Inforpress) – O historiador Esmat Elhalaby, da Universidade de Toronto, Canadá, venceu a primeira edição do Prémio Amílcar Cabral, anunciaram o Instituto de História Contemporânea e o Padrão dos Descobrimentos, co-organizadores da iniciativa.

Esmat Elhalaby, de ascendência palestiniana, especializado em História do Médio Oriente e do sul da Ásia, venceu o prémio com o artigo “Empire and Arab Indology”, publicado na revista Modern Intellectual History, do universo da Cambridge University Press.

Segundo o júri, o artigo “apresentava uma abordagem particularmente inovadora a um tema pouco estudado, o percurso de Wadi’Al-Bustani, advogado, activista, poeta, tradutor e comentador de obras canónicas da indologia para o árabe”.

Foram ainda atribuídas menções honrosas a Oliver Crawford, da London School of Economics, e a Ismay Milford, da Universidade de Edimburgo.

O Prémio Amílcar Cabral foi criado este ano pelo Instituto de História Contemporânea, da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, e o Padrão dos Descobrimentos, para reconhecer estudos científicos sobre “as resistências anticoloniais” desde o século XV até à actualidade.

O prémio consiste numa bolsa de investigação em Lisboa, destina-se a investigadores de qualquer nacionalidade, de universidades portuguesas ou estrangeiras, que estudem e produzam conhecimento, através de um artigo de investigação histórica, “sobre qualquer temática e problemática relativa à história das resistências anticoloniais e dos impérios coloniais”, refere a organização.

A primeira edição do Prémio Amílcar Cabral foi “anunciada simbolicamente a 10 de junho”, Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas, pela EGEAC, a empresa municipal que gere os equipamentos culturais de Lisboa, incluindo o Padrão dos Descobrimentos.

O júri da primeira edição do prémio é composto por António Tomás (Universidade de Joanesburgo), Francisco Bethencourt (King’s College London) e Manuela Ribeiro Sanches (Instituto de História Contemporânea).

O prémio foi baptizado com o nome do político e intelectual Amílcar Cabral (1924-1973), um dos fundadores do Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC) e que “contribuiu de forma singular para o fim do colonialismo europeu em África”.

Inforpress/Lusa

Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos