Há muito trabalho a fazer para a reorganização das representações diplomáticas cabo-verdianas – admite o MNE

 

Cidade da Praia, 12 Jun (Inforpress) – O ministro dos Negócios Estrangeiros, Luís Filipe Tavares admitiu hoje, na Cidade da Praia, que há “muito trabalho a fazer” para se reorganizar e pôr as representações diplomáticas no exterior a funcionarem “como deve ser”.

O chefe da diplomacia cabo-verdiana fez estas considerações ao ser confrontado com as afirmações do presidente do Tribunal de Contas, segundo as quais apenas cinco das representações diplomáticas cabo-verdianas apresentam as contas em dia.

“É uma preocupação que temos e estamos a trabalhar para regularizarmos todas estas situações”, precisou o ministro dos Negócios Estrangeiros, que quer que agora não se chore por cima do leite derramado, mas sim, “há que assumir as responsabilidades”.

Disse que não gosta de falar do passado, mas que durante os 15 anos de governação do Partido Africano da Independência de Cabo Verde (PAICV) se registaram dificuldades não só relacionadas com as contas das Embaixadas, mas também com a previdência social de funcionários contratados.

Segundo ele, estas coisas terão que ser resolvidas com responsabilidade, envolvendo diplomatas, funcionários e administração pública de forma global.

“O maior desafio que talvez Cabo Verde tem pela frente é o da reforma das instituições.

Temos que ter instituições da administração a funcionarem bem, qualquer que seja o partido político que estiver a governar”, enfatizou Luís Filipe Tavares.

LC/FP

Inforpress/Fim

 

 

 

 

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
[wd_asp elements='search' ratio='100%' id=2]
    • Categorias

  • Galeria de Fotos