Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

“Há manipulação nos dados estatísticos da criminalidade e tentativa de silenciamento de jornalistas” – Partido Popular

Cidade da Praia, 24 Mar (Inforpress) – O secretário-geral do Partido Popular (PP) afirmou hoje que os dados estatísticos sobre a criminalidade no país “estão manipulados” e que profissionais da Comunicação Social estão a ser “perseguidos e impedidos de informar” a sociedade sobre os factos.

Juvenal Furtado fez estas acusações em declaração à Inforpress, à margem da reunião quinzenal promovida pelo partido, na Cidade da Praia, considerando que “há um exagero” no que de refere à apresentação dos números, que indicam que houve uma diminuição da criminalidade no país.

“A criminalidade ainda persiste, os números não correspondem a verdade e não  diminuíram principalmente na cidade da Praia, temos fontes fidedignas sobre casos que ainda continuam a acontecer e que não estão a ser revelados. Constatamos que há uma tentativa de silenciamento dos profissionais da Comunicação Social, que estão a ser perseguidos”, declarou.

Outro ponto que mereceu análise do PP na sua reunião habitual, segundo este responsável, foi a “propaganda do Governo” sobre a criação de nove mil postos de trabalho por ano e de 45 mil durante o mandato.

Realçou, neste sentido, que há um “falhanço total” porque o executivo quer “ludibriar a juventude” com estágios profissionais, cujo critério “é duvidoso, não satisfaz e nem abrange toda camada juvenil” e “não dá garantias” relativamente à inserção dos jovens cabo-verdianos no mercado de trabalho.

Disse, por outro lado, que o Partido Popular congratula-se com a demissão do ex-presidente da Empresa de Mobilidade e Estacionamento da Praia (EMEP), Mário Fernandes, lamentando, entretanto, que tal decisão tenha sido “tardia”, uma vez que, durante o mandato, as acções do referido presidente “foram sempre ilegais”.

“Congratulamos com a demissão do presidente do EMEP é uma decisão tardia, mas ficamos contentes, mas é pena que essa demissão veio tardiamente porque a vítima das ilegalidades do presidente foi a Procuradoria-geral da Republica”, declarou.

Ainda no decorrer da reunião, ajuntou, o PP abordou a actual situação do mercado de Coco, cujo orçamento previsto era de 350 mil contos, no prazo de um ano, mas que, frisou, passados oito anos “o valor triplicou e não há nenhum sinal” para a sua conclusão.

“Para além da situação do mercado de Coco abordamos também uma questão relacionada com a Câmara Municipal da Praia, que está a perseguir uma moradora de Terra Branca que quer abrir um quiosque na sua zona, mas que a autarquia não autorizou, alegando que não se pode colocar quiosque nos passeios, quando temos muitos quiosques nos passeios”, concluiu.

CM/AA

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos