Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Guterres diz que “mundo vai perder travão à guerra nuclear” com fim de tratado entre Washington e Moscovo

Nova Iorque, 02 Ago (Inforpress) – O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, disse hoje que “o mundo vai perder um incalculável travão à guerra nuclear” com o expirar do acordo de 1987 entre Washington e Moscovo.

Guterres disse aos jornalistas que o Tratado de Armas Nucleares de Médio Alcance (INF, na sigla em inglês) “é um marco que ajudou a estabilizar a Europa e a acabar com a Guerra Fria” acrescentando que o fim do acordo “vai incrementar e não reduzir” a ameaça sobre mísseis balísticos.

Em Fevereiro, os Estados Unidos começaram a retirar-se do tratado, acusando a Rússia de estar a desenvolver mísseis que não cumprem o que estava estabelecido no pacto.

O prazo para a Rússia destruir os mísseis termina hoje.

Guterres pediu aos dois países para “evitarem os desenvolvimentos desestabilizadores” e para encontrarem o caminho para um novo pacto sobre o controlo de armamento.

Por outro lado, Guterres defende que o tratado New START, o mais significativo entre Washington e Moscovo, e que termina em 2021 deve ser prolongado.

Assinado em 1987 por Ronald Reagan e Mikhail Gorbachov, então Presidentes dos Estados Unidos e da antiga União Soviética, respetivamente, o tratado INF aboliu o recurso a um conjunto de mísseis de alcance (intermédio) entre os 500 e os 5 mil quilómetros e pôs fim à crise desencadeada na década de 1980 com a instalação dos SS-20 soviéticos, visando capitais ocidentais.

Em finais de outubro de 2018, o Presidente norte-americano, Donald Trump, acusou a Rússia de não respeitar os termos do tratado e ameaçou então sair deste acordo histórico.

Após ultimatos, Washington acabaria por decidir sair do INF, afirmando que a Rússia tinha infringido as regras do tratado com o desenvolvimento de um novo sistema de mísseis: o novo míssil terrestre russo 9M729, capaz de transportar uma ogiva nuclear e com um alcance superior a 500 quilómetros.

Em reação, Moscovo replicou e denunciou “acusações imaginárias” por parte dos Estados Unidos para justificar a saída do acordo.

Inforpress/Lusa/fim

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos