Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Guterres condena ataque que matou sete capacetes azuis no Mali

Nações Unidas, 08 Dez (Inforpress) – O secretário-geral da ONU, António Guterres, condenou hoje “energicamente” o ataque “atroz” a uma caravana logística da missão das Nações Unidas no Mali (Minusma) que matou sete capacetes azuis e feriu outros três na zona central do país.

“Apresentamos as mais sinceras condolências às famílias das vítimas e ao governo e ao povo do Togo”, disse Stéphane Dujarric, porta-voz de Guterres, numa conferência de imprensa, referindo-se à nacionalidade dos soldados mortos.
Uma “caravana logística” da Minusma, que seguia entre Douentza e Sévaré, no centro do Mali, foi atingida por um engenho explosivo, segundo a ONU, que num primeiro momento não especificou a nacionalidade das vítimas.

Segundo Dujarric, o secretário-geral da ONU também apelou às autoridades do Mali para que “não poupem esforços para identificar os responsáveis pelos ataques para que possam ser levados à justiça”.

O representante de Guterres salientou ainda que este é um dos piores ataques do ano às missões de manutenção da paz da ONU e sublinhou que a Minusma “tem estado na linha da frente e tem sofrido tremendamente”, especialmente os soldados do Togo, do Egito e do Chade.

Não se sabe neste momento quem perpetrou o ataque, mas responde ao ‘modus operandi’ dos grupos ‘jihadistas’ presentes no Mali, entre os quais se destaca um grupo aliado da Al-Qaeda e do ramo local do grupo extremista Estado Islâmico (EI).

A Minusma, uma das mais dispendiosas e perigosas missões de manutenção da paz, está no Mali desde 2013 e é atualmente a missão das Nações Unidas com mais mortos no mundo, contabilizando mais de 150 óbitos.

A instabilidade que afeta o Mali começou com o golpe de Estado de 2012, quando vários grupos rebeldes e organizações fundamentalistas tomaram o poder no Norte do país durante dez meses.

Os fundamentalistas foram expulsos em 2013, após uma intervenção militar internacional liderada pela França, mas extensas áreas do país, sobretudo no Norte e Centro, continuam a escapar ao controlo estatal e são, na prática, geridas por grupos rebeldes armados.

Além da presença de grupos terroristas, o Mali vive uma situação de grande instabilidade, com dois golpes de Estado em menos de um ano, após os quais se abriu um processo de transição política.
Inforpress/Lusa/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos