Guineenses na Praia exigem tomada de posse do novo Governo saído das eleições de 10 de Março

Cidade da Praia, 19 Mai (Inforpress) – Os guineenses que residem na Cidade da Praia manifestaram-se hoje de forma pacífica exigindo ao Presidente da República da Guiné-Bissau, José Mário Vaz, que emposse o novo Governo saído das eleições de 10 de Março.

Ao longo da caminhada, no percurso Estádio da Várzea/Consulado da Guiné-Bissau, no Palmarejo, os manifestantes aproveitaram para, no final, entregar uma carta ao embaixador Mbála Fernandes,

Os manifestantes empunharam cartazes com algumas frases e, ao mesmo tempo, lançaram palavras de ordem como “o nosso voto não é lixo”, “exigimos respeito”, “em democracia a maioria é que vence”, “abaixo ladrões de arroz”, “Jomav basta”, “Jomav respeite a vontade do povo”, “queremos o novo Governo já”.

Em declarações à Inforpress, um dos organizadores Pedro Barbosa Mendonça considerou ser “perigoso” que 70 dias após as eleições legislativas ainda não haja um Governo na Guiné-Bissau, devido ao impasse para a constituição da mesa da Assembleia Nacional Popular.

A população da Guiné-Bissau decidiu nas urnas que é o Partido Africano de Independência de Guiné-Bissau e Cabo Verde (PAIGC) que vai governar o país, entretanto, segundo disse, até agora o Presidente da República, José Mário Vaz, “não cumpriu com o seu papel”, que é indigitar o futuro primeiro-ministro.

“Nós estamos a exigir a valorização do nosso voto. Nós decidimos, o Governo tem que ser formado, é essa a nossa exigência na Guiné como na diáspora. Isso é imperativo e vamos continuar na mesma linha que estamos hoje, ou seja, as manifestações continuam”, assegurou.

Pedro Barbosa Mendonça disse ainda ter acompanhado uma entrevista do Presidente da República da Guiné-Bissau, em que ele alega que a nomeação do Governo não depende só dele.

“Não é verdade. O artigo 68 alinha I diz claramente que a nomeação e exoneração de qualquer Governo compete ao Presidente da República. O Presidente da República não pode legar essa competência para outra pessoa”, responsabilizou-o.

Para o representante da Assembleia do Povo Unido – Partido Democrático da Guiné-Bissau (APU-PDGB), na Cidade da Praia, Domingos Augusto, com esta marcha pacífica querem exigir os seus direitos, uma vez que cumpriram com o seu papel que era votar.

“O objectivo é exigir o empossamento do Governo na Guiné-Bissau eleito no dia 10 de Março, que até hoje, concretamente dois meses e nove dias, o Presidente da República mantém-se em silêncio e nós estamos à espera do seu resultado. Ele tem que fazer alguma coisa para que possamos sair desse impasse que estamos”, disse, ajuntado que o país não pode ficar parado e o que o povo quer é ver o desenvolvimento da Guiné-Bissau.

Depois de Cipriano Cassamá, do Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC), ter sido reconduzido no cargo de presidente do parlamento, e Nuno Nabian, da Assembleia do Povo Unido – Partido Democrático da Guiné-Bissau (APU-PDGB) ter sido eleito primeiro vice-presidente, a maior parte dos deputados guineenses votou contra o nome do coordenador do Movimento para a Alternância Democrática (Madem-G15), Braima Camará, para segundo vice-presidente do parlamento.

O Madem-G15 recusou avançar com outro nome para cargo.

Por outro lado, o Partido de Renovação Social (PRS) reclama para si a indicação do nome do primeiro secretário da mesa da assembleia.

O parlamento da Guiné-Bissau está dividido em dois grandes blocos, um, que inclui o PAIGC (partido mais votado, mas sem maioria), a APU-PDGB, a União para a Mudança e o Partido da Nova Democracia, com 54 deputados, e outro, que juntou o Madem-G15 (segundo partido mais votado) e o Partido de Renovação Social, com 48.

AM/AA
Inforpress/Fim

Facebook
Twitter
  • Galeria de Fotos