Guiné-Bissau acolhe em Maio pela primeira vez congresso de médicos de países lusófonos

Bissau, 27 Abr (Inforpress) – A Guiné-Bissau vai acolher em Maio, pela primeira vez, o congresso de médicos da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP), uma iniciativa que o ministro da Saúde, Dionísio Cumba, disse ser propícia para discutir o pós-pandemia de covid-19.

Em entrevista à Lusa, o governante guineense afirmou que, apesar das dificuldades, o país está pronto para receber o congresso que vai decorrer entre 04 e 05 de Maio, em Bissau, juntando os bastonários das ordens de médicos de países da CPLP.

“Convidámos todos, mas alguns não vão poder participar, mas temos já a confirmação dos bastonários das ordens dos médicos de Angola, Brasil, Moçambique, Portugal e São Tomé e Príncipe”, notou Dionísio Cumba.

O ministro guineense disse que o país contou com “um grande apoio” do seu cônsul honorário na cidade do Porto, o também médico José Manuel Pavão, que sempre incentivou a que a Guiné-Bissau acolhesse o evento, observou.

O décimo congresso da comunidade médica de língua portuguesa, que terá como lema principal “Saúde lusófona pós-pandemia”, vai ainda debruçar-se sobre a violência no exercício da medicina, capacitação e desenvolvimento do capital humano em saúde bem como realizar a assembleia-geral da organização.

O ministro guineense adiantou que os profissionais da medicina dos países lusófonos vão aproveitar o facto de o evento coincidir com o Dia da Língua Portuguesa, 05 de Maio, para debater o tema: “Língua como factor de coesão”.

No mesmo dia terá lugar uma sessão de demonstração da cultura e potencialidades do turismo guineense, indicou o ministro.  

“Será uma oportunidade também para demonstrar coisas positivas que acontecem na Guiné-Bissau”, disse Dionísio Cumba.

Inforpress/Lusa

Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos