Greve dos vigilantes de segurança privada com adesão de 70% – SINTSEL

Cidade da Praia, 23 Set (Inforpress) – A adesão à greve dos vigilantes, a nível nacional, atingiu os 70%, de acordo com os dados divulgados pelo presidente do Sindicato Nacional dos Agentes de Segurança Pública e Privada, Serviços, Agricultura, Comércio e Pesca (SINTSEL).

Manuel Barros fez esta intervenção à Inforpress, fazendo o balanço dos três dias de paralisação, anunciada pela SINTSEL, reivindicando a implementação da nova grelha salarial, num acordo firmado com o Governo em 2017.

Segundo o sindicalista, o balanço é “bastante positivo”, com uma adesão de 70% dos vigilantes a nível nacional, principalmente na cidade da Praia e na Boa Vista, explicando ainda que esta greve é o resultado da insatisfação das condições laborais da classe.

Manuel Barros avisou que, se não houver resposta positiva das “pessoas competentes”, a SINTSEL vai avançar com um novo pré-aviso de greve e continuar a luta.

O responsável aproveitou para denunciar também o comportamento de várias empresas que, segundo disse, ameaçaram alguns vigilantes, caso participassem na greve, o que impossibilitou o envolvimento de muitos.

“Sabemos que haverá casos de represálias, porque estamos perante ditadores que não resolvem o problema dos vigilantes e quando a classe se junta para a luta fazem vingança”, sublinhou.

Conforme destacou, caso haja represálias o SINTSEL irá promover greve contra as empresas que decidirem prejudicar os vigilantes.

O sindicato promoveu uma greve de três dias, defendendo que uma nova grelha salarial para os vigilantes privados é “justa”.

A greve iniciou às zero horas do dia 21 e termina à mesma hora do dia 24 de Setembro.

HR/CP

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos