Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

“Grandes expectativas de Cabo Verde terão esbarrado na indiferença da maioria de Estados membros” – embaixador UE

 

Mindelo, 26 Mai (Inforpress) – O embaixador da União Europeia considerou hoje que Cabo Verde “é especial” e por isso tem “uma parceria especial” com a comunidade, que lhe criou “grandes expectativas” que terão esbarrado na “indiferença reinante na maioria dos Estados membros”.

José Manuel Pinto Teixeira, que falava hoje no Mindelo na conferência sobre os “Dez anos da parceria especial entre Cabo Verde e União Europeia – o futuro das relações”, avaliou positivamente o estado da Parceria, considerando que as partes conseguiram ”desenvolver um plano de acção” que disse esperar “seja respeitado no futuro”.

O diplomata, que já leva cinco anos de missão na Cidade da Praia, afirmou não ser já tempo de andar a perguntar pelo valor do cheque que a União Europeia irá estender a Cabo Verde, mas tempo de o país avançar para outros patamares e tirar vantagens enquanto único Estado da ACP (África, Caraíbas e Pacífico) que detém parceria especial com a UE e que tem um diálogo ministerial com a organização.

A conferência, organizada pelo Ministério dos Negócios Estrangeiros e Comunidades, em parceria com a Universidade do Mindelo, tinha também como orador o embaixador de Cabo Verde em Bruxelas.

Fernando Whanon considera que Cabo Verde “poderia ter feito muito melhor”, mas perguntou-se: “o país tinha condições para isso?”

“Cabo Verde tinha que ser consequente e perseverante na sua acção”, mas nada disso aconteceu, “somos muito imediatistas”, “precisamos ter outra evolução, outra mentalidade”, acrescentou o diplomata, avisando desde logo que Cabo Verde “nunca” irá poder “aderir à União Europeia, nunca”.

O país tem que “avançar na questão da segurança, nas relações comerciais” para que “viva bem tem de trabalhar”.

“Cabo Verde não é conhecido, ninguém conhece Cabo Verde, temos que cair na real. Quem é conhecida é Cesária Évora. E ainda assim dizem que ela é de Cuba”, afirmou Fernando Whanon.

Pinto Teixeira avançou que reconhecer a existência de dificuldades de ambos os lados, de Cabo Verde e da União Europeia,   é já “prova de grande maturidade”, acrescentado competir às duas partes desenvolver a parceria.

O embaixador considera que se está em “fase de reflexão” e que decisões a 28 (Estados) não são o mesmo que tomá-las a um.

As relações económicas, do ponto de vista de Pinto Teixeira, precisam de “nova dinâmica”, chamando à atenção para o facto de Cabo Verde se encontrar “extremamente mal colocado” em matéria de ambiente de negócios, pelo que “tem de fazer um grande esforço para melhorar “ a performance.

Tomando como exemplo o acordo de pesca entre a União Europeia e Cabo Verde, o diplomata concluiu não se tratar de uma relação comercial estável, desde logo porque carece de derrogações frequentes.

A conferência decorreu nas instalações da Universidade do Mindelo, mas o Auditório Onésimo Silveira, de 180 lugares, tinha apenas à volta de 30 assentos ocupados, na sua larga maioria por alunos do curso de Ciência Política e Relações Internacionais.

No quadro da sua visita a São Vicente, o embaixador da União Europeia inaugura este sábado, 27, a Cabana de Chá, situada no Parque Natural do Monte Verde, e, antes de deixar São Vicente, deve ainda efectuar uma visita à conserveira Frescomar.

AT/AA

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos